Tóquio recupera parte das perdas dos 2 últimos pregões

O índice Nikkei 225 da Bolsa de Tóquio fechou acima dos 17 mil pontos, recuperando mais da metade das perdas dos últimos dois pregões, com a procura por bons negócios e a compra de blue chips de empresas exportadoras, estimulada pela desvalorização do iene. O principal índice do mercado japonês encerrou o dia em alta de 218,84 pontos, ou 1,3%, aos 17.057,01 pontos, depois da queda de 104,23 pontos ontem. O Nikkei 225 caiu 399,60 pontos, ou 2,3% nas últimas duas sessões. A maioria dos investidores deve negociar com cautela na próxima semana na expectativa de incentivos para os negócios no curto prazo com a divulgação dos dados sobre os pedidos de maquinário para a indústria japonesa e do resultado da reunião de política monetária do Banco do Japão. Por outro lado, as expectativas sobre resultados positivos das empresas de tecnologia dos EUA devem elevar o otimismo do mercado. Dentre as maiores altas, papéis de empresas exportadoras subiram em razão da desvalorização do iene em relação ao dólar americano. Já as ações de bancos subiram com a expectativa de que o setor seja beneficiado pelo aumento da taxa de juros, que será definido na próxima semana. Matsushita Electric subiu 3,2% e Sony teve ganhos de 2,4%. Sanyo Electric avançou 3,1%. As ações da Toyota encerraram o dia 2% acima do fechamento de ontem e Honda registrou aumento de 1,8%. Mitsubishi Motors fechou em alta de 2%. Os papéis da Mizhuo Financial Group avançaram 3% e Mitsubishi UFJ Financial Group subiu 2,7%. Sumitomo Mitsui Financial Group registrou aumento de 2,5%. Dentre as baixas, Fast Retailing caiu 14% depois que a varejista de roupas reduziu sua estimativa de lucros para o ano fiscal encerrado em agosto e alguns bancos de investimento rebaixaram sua classificação de risco. JFE Holdings registrou perda de 1,4% depois que o Credit Suisse diminuiu a classificação da produtora de aço. Já Nippon Steel encerrou o dia em alta de 0,6%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.