Tóquio sobe 0,1% com reação a medida da China

Mercados não reagiram negativamente à última elevação do compulsório bancário na China, o que explica os ganhos modestos do índice Nikkei 

Hélio Barboza, da Agência Estado,

21 de fevereiro de 2011 | 07h07

A Bolsa de Tóquio fechou com ganhos modestos, basicamente por causa do alívio ante o fato de que os mercados não reagiram negativamente à última elevação do compulsório bancário na China, anunciada na última sexta-feira. O índice Nikkei 225 subiu 14,73 pontos, ou 0,1%, e fechou aos 10.857,53 pontos.

O mercado abriu no território negativo diante das novas revoltas no Oriente Médio e no norte da África no fim de semana e da elevação dos rendimentos pagos pela dívida portuguesa. Tsuyoshi Segawa, estrategista da corretora Mizuho Securities, observou que o Nikkei parece tecnicamente "sobrecomprado" e acrescentou que o surgimento de um racha no partido governista japonês, o Partido Democrático do Japão (PDJ), só aumenta as atuais incertezas.

Mas a Bolsa virou na sessão da tarde, com os investidores aliviados pelo fato de que o índice Xangai Composto da Bolsa de Xangai permaneceu firme mesmo depois de o banco central chinês anunciar, na sexta-feira, o aumento do depósito compulsório dos bancos, pela segunda vez neste ano.

A instabilidade no Oriente Médio e no Norte da África influenciou as ações ligadas ao petróleo, como Inpex e Showa Shell Sekiyu, ante a expectativa de que os preços da commodity continuem a subir em meio à turbulência na região. Inpex subiu 1,7% e Showa Shell adicionou 4,4%. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.