Tóquio sobe 1,1% e ultrapassa os 18 mil pontos

O índice Nikkei 225 da Bolsa de Tóquio pairou acima dos 18 mil pontos pela primeira vez em quase sete anos, impulsionado pelos ganhos das ações do setor imobiliário, na medida em que desapareceram as preocupações com relação a um aumento da taxa de juros. O índice avançou 1,1% e fechou aos 18.108,79 pontos. Segundo os analistas, o aumento determinado ontem pelo Banco do Japão (banco central japonês) na taxa básica de juros foi interpretado positivamente por quase todos os setores do mercado acionário e pode ajudar o Nikkei a alcançar os 19 mil pontos nos próximos meses. Se a elevação dos juros ajudou o desempenho dos bancos na bolsa, os comentários do governador do Banco do Japão, Yoshihiko Fukui, de que novos aumentos teriam de ser graduais, devem beneficiar as ações de companhias imobiliárias e de exportadoras. Tais setores são sensíveis à influência dos juros sobre a taxa de câmbio. "Com toda a volatilidade associada à elevação dos juros, os 18 mil pontos de fato parecem um ponto de parada no caminho dos 19 mil pontos", disse Hitoshi Yamamoto, presidente da Commerz International Capital Management. Sumitomo Realty & Development, terceira maior empresa imobiliária do Japão, teve um ganho de 4,3% no pregão desta quinta-feira. O forte desempenho das ações deste setor se refletiu no índice TSE Real Estate Investment Trust Index, que atingiu nível recorde. Segundo os operadores, investidores locais em busca de altos rendimentos voltaram a apostar no índice, diante do fim das perspectivas de elevação no rendimento dos depósitos bancários. O setor de commodities também se destacou positivamente, com os ganhos na cotação dos metais e do petróleo impulsionando o preço das ações. Japan Petroleum Exploration, mais conhecida como Japex, ganhou 5,8% depois que o barril de petróleo ultrapassou os US$ 60 no mercado futuro dos EUA. Toho Titanium avançou 6,6%. A corretora Nikko Cordial chegou a disparar 11%, com a notícia da Bloomberg de que o Citigroup estaria considerando assumir integralmente a joint venture Nikko Citigroup. Mas a corretora rapidamente perdeu grande parte dessa valorização, fechando com alta de 2,7%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.