Tóquio sobe 1,4% com expectativa por medidas do BOJ

Sinais de forte demanda por equipamentos de produção de chips também deram suporte aos negócios

Hélio Barboza, da Agencia Estado,

19 de agosto de 2010 | 07h04

A Bolsa de Tóquio fechou em alta diante dos sinais de forte demanda por equipamentos de produção de chips, que alimentaram uma significativa valorização das ações da Tokyo Electron, enquanto a intensa especulação a respeito de medidas de flexibilização monetária a serem tomadas pelo banco central puxaram para cima as ações dos setores imobiliário e de crediário. O índice Nikkei 225 saltou 122,14 pontos, ou 1,4%, e fechou aos 9.362,68 pontos.

As ações das empresas de crediário e de imóveis subiram depois que a edição matutina do jornal "Sankei Shimbun" informou que o Banco do Japão (BOJ, banco central) pode estudar a ampliação de sua linha de crédito. Rumores sobre o assunto multiplicaram-se no mercado ao longo desta semana. Também foi grande a especulação em torno de uma reunião de emergência que o BOJ pode realizar antes do encontro da próxima segunda-feira entre o presidente do banco, Masaaki Shirakawa, e o primeiro-ministro Naoto Kan.

"A perspectiva assustadora é que os investidores podem levar as autoridades a agir mais, puxando para baixo os preços das ações no caso de saírem apenas medidas insuficientes", disse Masayoshi Yano, analista da Meiwa Securities. Com os investidores considerando cada vez mais a possibilidade de uma medida de flexibilização por parte do BOJ - ainda que simbólica - os ganhos das ações podem durar apenas até um anúncio formal, advertiu Fumiyuki Nakanishi, gerente geral da SMBC Friend Securities.

"O alívio monetário pode acalmar brevemente as preocupações do mercado sobre a alta do iene, mas não será um remédio para as condições econômicas fundamentais", acrescentou Nakanishi. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.