Tóquio sobe 1,5% com sinal de apoio da China à Europa

A Bolsa de Tóquio fechou em alta, uma vez que o apoio da China às medidas que estão sendo tomadas pelas autoridades europeias para estabilizar seus mercados financeiros tranquilizou os investidores e disparou uma onda de compras, puxando fortemente para cima as ações sensíveis à zona do euro, como Sony e Nikon. O índice Nikkei 225 avançou 154,12 pontos, ou 1,5%, e fechou aos 10.370,53 pontos, no maior ganho porcentual e em pontos desde o dia 2.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

21 de dezembro de 2010 | 07h54

Os sinais de relaxamento das tensões entre as Coreias e a expectativa de resultados sólidos para um conjunto de dados sobre o setor imobiliário e os gastos das famílias nos EUA, que saem ainda nesta semana, fizeram a Bolsa abrir em alta. Um impulso adicional foi fornecido à tarde pelas declarações do vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan. Ele disse que a China apoia os esforços das autoridades europeias para estabilizar os mercados globais em seguida à crise da dívida dos países do bloco.

Segundo um analista, as declarações levaram à especulação de que a China pode intensificar suas compras de bônus nas economias da zona do euro.

O Banco do Japão (BoJ, banco central) manteve inalterada sua taxa básica de juros na faixa de 0 a 0,1% e não tomou nenhuma medida não convencional de alívio monetário. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.