Toyota planeja reduzir seus custos para 2012

O maior fabricante de veículos do mundo levará a cabo esta estratégia primeiro em suas fábricas no Japão, para depois tentar implementá-la nas do resto do mundo

EFE

07 de junho de 2009 | 06h11

A Toyota Motor planeja reduzir seus custos de produção em cerca de 100 bilhões de ienes anuais (726 milhões de euros) para 2012, usando métodos de fabricação e componentes comuns para seus carros compactos.

 

O maior fabricante de veículos do mundo levará a cabo esta estratégia primeiro em suas fábricas no Japão, para depois tentar implementá-la nas do estrangeiro, principalmente na Europa e nos Estados Unidos.

 

Até agora, a Toyota tinha baseado uma amplo percentagem de seus lucros no sucesso de seus veículos luxuosos e de grande tamanho, mas a crise global impulsionou a demanda por veículos pequenos e eficientes.

 

Por isso a companhia planeja agora reduzir o custo de produção destes modelos menores, que são também fundamentais para aumentar suas vendas nos mercados emergentes, segundo o periódico.

 

No ano fiscal de 2008, que fechou em março, a companhia registrou uma perda líquida de 461 bilhões de ienes (3,345 bilhões de euros), enquanto para o exercício atual, a Toyota prevê números vermelhos de até 850 bilhões de ienes (6,168 bilhões de euros).

 

Segundo o Nikkei, o primeiro fabricante do mundo veio reduzindo seus custos produtivos entre 300 bilhões e 400 bilhões de ienes a cada ano (entre 2,177 bilhões e 2,902 bilhões de euros).

 

A Toyota pretende também poupar cerca de 100 bilhões de ienes anuais (726 milhões de euros) graças à utilização de componentes e plataformas de fabricação comuns para todos os veículos com motores de entre 1 e 1,8 litro que fabrica no Japão.

 

Para conseguir esta incumbência, a companhia está estudando a possibilidade de reduzir o tamanho de seu Corolla para que coincida com o do Vitz, e além disso tentará incluir em todos estes veículos componentes eletrônicos comuns.

Tudo o que sabemos sobre:
Toyota

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.