Trabalhadores da Telecom Italia protestam contra plano de cisão

Representantes dos sindicatos de trabalhadores da Telecom Italia SpA pediram novamente que a companhia desista do plano de cisão das operações de telefonia fixa e móvel. Funcionários e organizações sindicais temem que o projeto de reorganizar a maior companhia de telecomunicações da Itália possa resultar em cortes significativos de empregos.Milhares de trabalhadores permaneceram do lado de fora da sede da Telecom Italia, em Milão. De acordo com líderes sindicais, 80% da força de trabalho da empresa participou da paralisação de um dia. A operadora não forneceu estimativas. Trabalhadores e líderes sindicais sustentam que o plano de reorganização foi arquitetado para proteger os interesses financeiros do ex-presidente do grupo, Marco Tronchetti Provera. O executivo ainda ocupa o cargo de chairman do conglomerado Pirelli & C. SpA, que detém o controle majoritário da Olimpia, holding que por sua vez é o maior acionista da Telecom Italia (com participação de 18%). "Esse plano precisa ser interrompido", disse o líder da CGIL, Emílio Miceli. "O que pedimos é que a Telecom Italia seja transformada em uma companhia realmente pública, dado que sua atual estrutura acionária tem se mostrado inadequada." Os sindicatos também pediram que o governo desenvolva a estratégia industrial futura do grupo, sem colocá-lo sob controle do Estado.A estratégia de cisão da Telecom Italia deu início a um enfrentamento público com o primeiro-ministro italiano Romano Prodi, sendo que o plano era amplamente visto como um preparativo para a venda da sua unidade móvel, a TIM. Tronchetti Provera renunciou ao posto de chairman da Telecom Italia em 15 de setembro, após Prodi declarar que estava "desconcertado" com o plano de cisão, do qual não teria sido informado. Seu sucessor, Guido Rossi, tem indicado que pretende seguir em frente com a reorganização. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.