Trabalhadores da Voith Paper ameaçam iniciar greve

O Sindicato dos Metalúrgicos divulgou nota hoje informando que os trabalhadores da Voith Paper, empresa do grupo Voith, ameaçam cruzar os braços e iniciar uma greve para a próxima terça-feira. A paralisação pode ocorrer por conta da criação de uma empresa terceirizada montada pela própria Voith Paper - a Voith Vipa. No entanto, a greve dos trabalhadores pode ser estimulada, principalmente, por questões de segurança e horas extras.Na manhã de hoje, os trabalhadores da fábrica, localizada na zona oeste da Capital, realizaram um protesto por conta de um acidente de trabalho com o inspetor de areia, Sérgio Luiz Martins Duarte, 42 anos, ocorrido no setor de fundição na manhã do último domingo, durante o feriado de carnaval. Eles afirmam que somente na ocasião muitos funcionários de outros setores da empresa tiveram conhecimento do acidente. O Sindicato afirma que o acidentado sofreu fraturas e continua internado.O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo disse à Agência Estado não ter maiores informações "porque a empresa não deu transparência ao fato". Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da Voith Paper enviou um comunicado afirmando que Sérgio Luiz foi socorrido "imediatamente" pela equipe de plantonistas do serviço de atendimento a emergência, e encaminhado ao hospital Metropolitano.O comunicado ressalta ainda que os procedimentos de segurança da empresa são auditados pela OHSAS 18001, "cuja certificação ocorreu em 2005, com recertificação em 2006". Segundo a Voith Paper, o funcionário acidentado "encontra-se consciente, está com quadro estável, em evolução e conta com todo o apoio necessário da empresa". Os motivos do acidente, segundo o comunicado, estão sendo investigados por responsáveis pela Segurança e Saúde do trabalho da empresa.A Voith Paper ressalta também que sempre investiu na saúde e segurança do trabalho, "além de cumprir com todas as exigências da portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego".Carga horáriaDe acordo com o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos, Ricardo Rodrigues (conhecido como Teco), durante assembléia os trabalhadores da Voith Paper reclamaram que a carga horária estaria muito pesada. Reclamaram ainda da pressão por parte da chefia e do fato de haver "vários trabalhadores" afastados do trabalho por estresse. E emenda: "Essas pessoas são futuros acidentados."Os metalúrgicos argumentam que a Voith Paper, com a criação da empresa terceirizada, passaria a pagar salários menores a eles e conceder benefícios diferenciados aos funcionários desta nova empresa. Segundo a nota do Sindicato, os funcionários da Voith Vipa recebem menos que os efetivos da empresa, além de benefícios diferenciados como convênio médico, cesta básica e transporte.A Voith Paper tem 1.600 empregados efetivos e produz turbinas hidrelétricas e máquinas para fabricação de papel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.