Transbrasiliana pede registro de companhia aberta

A Transbrasiliana Concessionária de Rodovia pediu registro de companhia aberta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A empresa pertence ao grupo BRVias, que é responsável pela administração da concessão do trecho paulista da rodovia BR-153 (que se estende da divisa do Estado de São Paulo com Minas e com o Paraná).

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

19 de fevereiro de 2010 | 11h59

 

A BRVias foi fundada em 2006, como resultado da associação da Splice, do empresário Antonio Beldi, do grupo Áurea, pertencente à família Constantino, e da construtora Walter Torre. Cada empresa possui 33,3% do capital, segundo informações da página da empresa na internet.

 

A BRVias já participou de alguns leilões de concessões, incluindo as rodovias Fernão Dias (São Paulo/Belo Horizonte) e Régis Bittencourt (São Paulo/Curitiba). Foi a vencedora do trecho paulista da BR-153, que tem um trecho de 321,6 km com pedágio a R$ 2,45. Para administrar essa concessão, o grupo criou a Transbrasiliana Concessionária de Rodovia, com sede em Lins, no interior de São Paulo.

 

Com a aprovação do registro de companhia aberta, a Transbrasiliana pode emitir debêntures, fazer lançamento de ações e listar seus papéis na bolsa. A empresa não informou qual sua intenção.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBolsaTransbrasiliana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.