UBS eleva preços-alvo de Bradesco, BB e Nossa Caixa

O banco de investimentos UBS elevou o preço-alvo para as ações do Bradesco em 19%, de R$ 88 para R$ 105; para o Banco do Brasil em 24%, de R$ 63 para R$ 78; e para a Nossa Caixa em 7%, de R$ 57 para R$ 61. As recomendações para os papéis dos três bancos, no entanto, foram mantidas em "neutra 2" (para Bradesco e Banco do Brasil) e em "compra 2" (para Nossa Caixa). Sobre o Bradesco, o analista Bruno Pereira afirmou que o preço-alvo implica uma valorização de 23% em relação à cotação atual. Ele prevê crescimento do lucro por ação de 13% neste ano e no próximo. "O Bradesco está operando com múltiplos preço/lucro semelhantes aos do Itaú, mas oferece crescimento menor do lucro por ação, de acordo com nossas estimativas, e por isso continuamos preferindo o segundo." Em relação ao Banco do Brasil (BB), o relatório afirma que a valorização de 25% em dólar de suas ações nos últimos três meses, contra um ganho de 12% do Ibovespa (principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo) e de 14% do Unibanco e do Bradesco, parece refletir as expectativas de que a recuperação do setor agrícola em 2007 será forte o suficiente para alterar substancialmente os custos de crédito no banco. "Ao mesmo tempo em que os especialistas falam sobre o quanto 2007 deverá ser 'melhor do que 2006', há discussões sobre se essa melhoria será suficiente para aliviar significativamente o endividamento do setor por meio de fluxos de caixa muito mais fortes. Nós compartilhamos essas preocupações e acreditamos que é preciso levar em consideração que a reestruturação dos problemáticos empréstimos agrícolas criou um risco moral nesse segmento", ressaltou o especialista. Ele ponderou, no entanto, que a equipe administrativa do BB está buscando ativamente estratégias para melhorar o gerenciamento do risco da carteira de crédito agrícola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.