UE adota neutralidade na negociação Nyse/Euronext

A Comissão Européia afirmou que não irá favorecer um acordo em detrimento de outro no caso das ofertas de fusão recebidas pela Euronext, que opera as bolsas de Amsterdã, Paris, Lisboa e Bruxelas, depois de o governo da Alemanha declarar que continua favorável a uma negociação entre as bolsas européias. "É o setor quem decide o que quer", disse o porta-voz da UE para assuntos financeiros, Oliver Drewes. Ontem, a Nyse Group Inc. (que opera a Bolsa de Nova York) anunciou acordo de fusão com a Euronext. O governo alemão reagiu dizendo que é favorável a uma transação de fusão dentro da Europa com a Deutsche Börse. A comissão, maior autoridade reguladora do continente, observou que seria inapropriado favorecer um negócio sobre o outro. Em vez de se concentrar em quem hospedará as transações, Drewes disse que uma das principais preocupações antitruste da comissão é o custo alto das operações após a conclusão do acordo. A maior parte dos países europeus opera suas próprias regras de compensação e liquidação, o que torna as transações internacionais mais caras. A comissão pretende emitir sua recomendação sobre como remediar potenciais problemas de concorrência no mês que vem, afirmou Drewes. O acordo Nyse-Euronext talvez seja grande o suficiente para garantir uma ampla revisão na Europa. Mas, acautelou o porta-voz, a revisão pode se limitar apenas a ver se a fusão resultará em "competição real" no mercado europeu. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.