Um Google para as empresas

Você já teve a impressão de que é mais fácil achar informações no Google que nos sistemas das empresas? "Em muitos casos, essa é a realidade", afirmou John Lervik, presidente mundial e co-fundador da Fast Search & Transfer, empresa norueguesa especializada em sistemas corporativos de busca, em visita ao Brasil esta semana. "A complexidade é muito maior. Existem vários tipos de documentos e questões de segurança, por exemplo."A empresa surgiu em 1997 com um site de buscas na internet, chamado AlltheWeb.com, vendido para o Yahoo em 2003. "Quando surgimos, a única coisa que tínhamos era uma grande tecnologia", afirmou Lervik. Ele resolveu então aplicá-la ao mundo corporativo. Entre os clientes no Brasil estão empresas como Petrobras, Submarino, UOL e a OESP Mídia, do Grupo Estado. Fora do Brasil, tem clientes como a AOL, MapQuest e AutoTrader. Produtos de empresas como EMC, Symantec e Siebel incorporam tecnologia da Fast Search."A cada 18 meses dobra o volume de informações nas empresas", disse Lervik, escolhido pela revista Forbes um dos oito executivos mais influentes da internet, no ano passado. "Na rede mundial, acontece a mesma coisa."A América Latina responde por cerca de 5% do faturamento da companhia, que somou US$ 100 milhões ano passado e deve chegar a US$ 150 milhões este ano. "Estamos crescendo muito rápido", disse o presidente da Fast Search. "Nos últimos cinco anos, estivemos entre as três empresas de tecnologia que mais cresceram, depois do Google e da Salesforce.com." A Fast Search emprega 700 pessoas em todo o mundo.Lervik não considera o Google um concorrente: "Eles estão ensinando as pessoas a fazerem buscas". Para o executivo, não há excesso de informação, apesar de muitos terem essa impressão. "O que existe é falta de informação, que não se encontra acessível às pessoas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.