Vale do Rio Doce compra 45,5% que pertenciam à BHP na Valesul

A Companhia Vale do Rio Doce anunciou a aquisição dos 45,5% de participação na Valesul Alumínio (Valesul) que ainda não possuía. A fatia, que pertencia à BHP, foi comprada por US$ 27,5 milhões - a Vale exerceu o direito de preferência previsto em acordo de acionistas. "A aquisição da Valesul é consistente com a estratégia de negócios da Vale para o alumínio", informou em comunicado ao mercado o diretor-executivo de Relações com Investidores da Vale, Fabio Barbosa.A Valesul possui capacidade de produção nominal de 95 mil toneladas anuais de alumínio primário e ligas de alumínio na forma de lingotes e tarugos. A empresa também atua na refusão de sucata de alumínio para terceiros, com capacidade nominal de reciclagem de 25 mil toneladas por ano.No primeiro trimestre de 2006, a receita líquida da Valesul foi de US$ 58 milhões e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu US$ 8 milhões. A Valesul possui endividamento bruto zero, de acordo com a posição de 31 de março deste ano. A empresa fica localizada em Santa Cruz (RJ).A aquisição foi considerada positiva por analistas. A avaliação é de que a operação está dentro da estratégia de crescimento da mineradora na área de alumínio. Segundo Pedro Galdi, analista da ABN Amro Real Corretora, o crescimento da Vale é positivo em razão do bom momento do setor, com aumento forte da demanda por alumínio, principalmente na China.Para Cristiane Viana, da corretora Ágora, a operação é neutra para a empresa e não deve trazer impactos significativos. "Está dentro da estratégia de elevar a participação do alumínio no seu portfólio", diz. Catarina Pedrosa, do Banif Investment Banking, diz que, apesar de a operação ser pequena para o porte da Vale, será benéfica para a estratégia de crescimento da empresa no alumínio no longo prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.