Vale do Rio Doce não vê quadro de recessão nos EUA

O diretor-executivo de Finanças da Companhia Vale do Rio Doce, Fábio Barbosa, descarta uma recessão no curto prazo na economia dos Estados Unidos. Segundo ele, as turbulências atuais no mercado financeiro refletem apenas uma "correção saudável". "Não acredito em recessão, mas em um ajuste suave em relação a trajetória de crescimento", disse.Em reunião na Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) no Rio de Janeiro, o executivo lembrou que a economia mundial vem crescendo nos últimos cinco anos a uma taxa média de 4,2%, acima da média histórica de 3,5%.O diretor traçou ainda um cenário positivo para as economias européias e asiáticas, especialmente a chinesa. Segundo ele, a expansão da China tem ajudado a impulsionar o crescimento da economia mundial. Um dos exemplos foi o impacto que teve na trajetória dos preços dos metais. A cotação das commodities metálicas subiu muito nos últimos anos por conta da forte importação do produto pela China.NaviosA Vale do Rio Doce estuda uma estratégia para driblar a disparada nos preços dos fretes, fato que vem diminuindo a competitividade dos produtos negociados por ela no mercado internacional. Atualmente, a cotação do minério de ferro gira em torno de US$ 80 por tonelada, sendo que o frete representa metade desse valor. No ano passado, os clientes da Vale gastaram cerca de US$ 3 bilhões somente com frete."Há ganhos excessivos e artificiais em prejuízo dos nossos clientes e vamos atuar sobre isso", disse Barbosa. "Não é razoável o nível de preços que tem prevalecido."A estratégia da companhia será incentivar a construção de navios de longo curso, que façam o transporte dos produtos, especialmente para a Ásia. Segundo o executivo, a mineradora ainda não decidiu se irá construir o navio sozinha ou em parceria com os clientes. O local da construção também não foi escolhido. O diretor explicou que o fluxo de negócios hoje para o Oriente é muito maior do que para o Ocidente, por isso, o preço do frete acaba subindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.