Vale quer acelerar projetos de investimento da Inco em níquel

O presidente da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Roger Agnelli, afirmou hoje que pretende acelerar os investimentos nos projetos de níquel da Inco, empresa canadense recém comprada pela mineradora brasileira. "Existe muita sinergia entre os projetos no Brasil e as operações no Canadá", disse o executivo.Antes da aquisição da Inco, a segunda maior produtora mundial de níquel, a Vale tinha apenas dois projetos nesta área: as minas de Vermelho e Onça Puma, ambas no Pará. A última foi adquirida após a compra de outra companhia canadense, a Canico, no final do ano passado.Em entrevista no Canadá, Agnelli informou que pretende acelerar ainda os estudos para ampliação das atividades de uma subsidiária da Inco na Indonésia, a PT Inco. Segundo ele, a empresa tem reservas "gigantescas", o que pode beneficiar a crescimento do grupo Vale no setor. Outro braço internacional da Inco está em Goro, na Nova Caledônia (possessão francesa na Oceania). "Também pretendemos acelerar esse projeto", explicou.Agnelli lembrou que os volumes de investimento no mercado de níquel foram reduzidos nos últimos anos. A intenção da empresa agora é juntar os profissionais da Vale e da Inco para trabalhar em planos de desenvolvimento para a nova companhia, que será criada a partir do fechamento das negociações . "Não precisamos ter pressa para mudar nada porque a Inco é uma grande empresa", justificou.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2006 | 12h37

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.