Valorização do dólar puxa alta de 1,6% em Tóquio

A Bolsa de Tóquio encerrou o pregão desta segunda-feira em alta, com a desvalorização do iene frente ao dólar estimulando as ações de empresas exportadoras, como a Canon e a Sony. O índice Nikkei 225 subiu 1,6% e fechou aos 17.009,55 pontos, voltando a superar os 17 mil pontos após quatro sessões. De acordo com os operadores, no curto prazo o mercado deve se apoiar na demanda dos investidores de varejo e dos administradores de fundos por ações que pagam bons dividendos, em antecipação ao encerramento do ano fiscal, no fim de março. ?As compras dos fundos de investimento costumam aumentar nesta época do ano?, explicou Tsuyoshi Segawa, estrategista da Shinko Securities. Uma mudança repentina no humor do mercado também é improvável, ainda segundo os operadores, antes da reunião do Fed (banco central norte americano), que termina na quarta-feira, e da divulgação dos dados sobre o mercado imobiliário dos EUA, quinta e sexta-feira. Entre as principais altas do setor exportador, Canon subiu 2,9%, Sony ganhou 2,5%, Toshiba avançou 3%, Nissan teve alta de 1,5% e Toyota se valorizou em 0,8%. As ações da Hitachi subiram 0,1%, depois de terem se desvalorizado em 3,6%. Na sexta-feira, a empresa anunciou que neste ano seus dividendos devem ser a metade dos que foram pagos no ano passado. Já a Mitsubishi Materials fechou o pregão com alta de 2,9%, depois de revisar para cima sua projeção de lucros e de dividendos. Os papéis da Fujitsu tiveram queda de 1% após o jornal ?Asahi Shimbun? noticiar que a companhia decidiu assumir na contabilidade da matriz um prejuízo com ações de suas subsidiárias. A Fujitsu informou que não revisaria sua estimativa de lucros. Hokuriku Electric Power teve perda de 3,2% com a revelação de um acidente em um de seus reatores nucleares, ocorrido há oito anos. As ações da corretora Nikko Cordial, que estão sendo alvo de uma oferta de compra do Citigroup, continuam apresentando pouca variação. Hoje recuaram apenas 0,1%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.