Varig leva Infraero a um prejuízo de R$ 135 mi em 2006

A provisão para créditos de liquidação duvidosa do Grupo Varig (que inclui as empresas Varig, Nordeste e Rio Sul) levou a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) a um prejuízo líquido de R$ 135,282 milhões no ano passado. O balanço da companhia referente ao exercício de 2006 está publicado hoje no Diário Oficial da União.Segundo a administradora de aeroportos e terminais de logística e carga, apesar de a direção da Varig ter se comprometido a quitar suas dívidas no Plano de Recuperação Judicial, optou-se por fazer a provisão no valor de R$ 185,4 milhões.A Infraero destaca em seu relatório de administração que obteve lucro líquido de R$ 170,719 milhões, se considerados os resultados antes das transferências para a União, representados pelos investimentos em obras e serviços de engenharia nos aeroportos. Essa conta somou R$ 306 milhões no ano passado. Somados aos convênios, como o acertado com o Ministério do Turismo, os investimentos em obras totalizaram R$ 350 milhões no ano passado.Receita e despesasA Infraero informou que sua receita operacional bruta evoluiu 16,4% no ano passado em relação a 2005, e atingiu R$ 2,036 bilhões. A receita líquida consolidada da empresa cresceu 14,5%, para R$ 1,933 bilhão. Só a receita aeronáutica subiu 21%, para R$ 1,006 bilhão, fruto do maior movimento operacional e do reajuste da tarifa de embarque doméstico e de navegação aérea praticado no ano retrasado. O lucro bruto da Infraero avançou 19,1%, para R$ 539,9 milhões, e a margem bruta cresceu de 25,9% para 26,5% entre os dois exercícios.As despesas operacionais da Infraero evoluíram 16,3%, para R$ 232,686 milhões, sendo que as despesas com pessoal tiveram alta de 19,3%, fruto da contratação de funcionários e anistiados e do reajuste salarial de 6% firmado no acordo coletivo 2006/2007.Segundo a empresa, a movimentação de passageiros nos 68 aeroportos que administra no País avançou de 96,1 milhões para 102,2 milhões na comparação dos dois últimos anos. Esses aeroportos representam 97% do transporte aéreo regular do Brasil, o que equivale a 1,9 milhão de pousos e decolagens de aeronaves nacionais e estrangeiras.A rede de 32 terminais de logística de carga administrada pela Infraero registrou crescimento de 3,7% em tonelagem de cargas importadas, exportadas e nacional. O volume total saltou de 753.367 toneladas para 780.997 toneladas entre 2005 e 2006, novo recorde na movimentação dentro do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.