VarigLog ainda não enviou carta-consulta ao BNDES

O presidente do BNDES, Demian Fiocca, avaliou que o fato de a VarigLog não ter ainda enviado ao banco carta-consulta para financiamento de investimentos na nova Varig reflete o "andamento normal" de um processo, que já não está mais pressionado por uma situação de emergência. Na última quarta-feira, o presidente do conselho de administração da VarigLog, Marco Antonio Audi, informou que na quinta-feira o pedido seria encaminhado.Segundo a assessoria do BNDES, o pedido de financiamento não havia sido entregue hoje. "Eu não participei da reunião (de quarta-feira, no banco, com a VarigLog e Embraer). Mas eu acho que é o andamento natural. Não há mais aquela emergência, aquela coisa de 'é pra amanhã', 'para a semana que vem', quando tinha leilão, 'quebra não quebra'. Agora não, já resolveu. Tem o novo dono, tem o plano de investimentos, a gente tem uma linha boa. Andamento normal de projetos", comentou Fiocca, ao ser perguntado se o banco teria feito alguma exigência ou pedido de adaptação ao plano apresentado pela VarigLog.O presidente do BNDES não comentou o valor do projeto contemplado no plano de negócios da nova Varig. "É melhor eles dizerem. A gente está ainda no detalhe", afirmou. Segundo a VarigLog, dona da nova Varig, o projeto de investimentos é da ordem de US$ 2 bilhões e contempla 50 jatos. A linha de financiamento formatada pelo BNDES para estimular a venda de jatos da indústria aeronáutica brasileira para companhias aéreas nacionais permite financiamento de até 85% do valor de cada aeronave, com 90% do financiamento em reais e o restante em dólar. A Embraer é a indústria brasileira fabricante de jatos. A TAM chegou a se interessar pelo financiamento para a compra de jatos da Embraer, mas acabou optando pelos equipamentos da Airbus, de maior porte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.