Vazamento paralisa caldeira a vapor da Reduc

Um vazamento paralisou uma das cinco caldeiras a vapor da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), da Petrobras. O acidente aconteceu uma semana após um trabalhador morrer de queimaduras sofridas em uma refinaria da estatal em Manaus. O presidente do Sindicato dos Petroleiros de Caxias, Simão Zanardi, informa que a caldeira levará cerca de 60 dias para ser consertada.

MÔNICA CIARELLI, Estadão Conteúdo

25 de agosto de 2014 | 20h33

Hoje, o Mistério do Trabalho esteve na refinaria para debater a situação de segurança na unidade. Em nota, a Petrobras esclareceu que o vazamento de vapor ocorreu no domingo em um tubo externo da caldeira SG1201. No mesmo dia, revelou Zanardi, a Reduc precisou, por motivo de segurança, evacuar trabalhadores que atuavam na manutenção da caldeira, equipamento que ajuda a fornecer calor e outras energias à refinaria.

Apesar dos incidentes, o sindicalista explica que a produção da refinaria ainda não está comprometida. Com capacidade para processar cerca de 240 mil barris de petróleo por dia, a Reduc é a quarta maior refinaria do País.

A série de acidentes em refinarias da Petrobras tem preocupado o sindicalista. Segundo ele, as unidades têm operado sobrecarregadas para impulsionar a produção doméstica de combustíveis como gasolina e diesel e, com isso, diminuir a dependência das importações, que vem pressionando o caixa da petroleira.

Em nota, a Petrobras informou que a manutenção do equipamento foi iniciada e que as unidades de refinaria da estatal seguem operando "normalmente, respeitando os princípios de segurança, meio ambiente e saúde que norteiam as ações da companhia."

Tudo o que sabemos sobre:
Reducvazamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.