Veja as principais regras da liquidez

Um quilômetro pode ser percorrido, a pé, em 12 minutos. Esse período de tempo ou até cinco quadras é a distância ideal de um imóvel até o Metrô. Mas nada de imóvel na porta da estação do trem subterrâneo porque, neste caso, o local é barulhento e pode ser cercado de camelôs.Essas são preocupações que devem permear a cabeça do investidor em imóveis, tanto o interessado na revenda quanto no aluguel da unidade, segundo o diretor da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp), Paulo Pompéia.De acordo com especialistas, o investidor no mercado imobiliário não pode pensar apenas em rentabilidade, mas deve minimizar os riscos do investimento ao se preocupar com a liquidez. Isso porque é a facilidade e a rapidez na venda ou na locação que vão reduzir as chances de prejuízo."O principal fator de liquidez do imóvel é a localização", diz o consultor. A proximidade de pontos de comércio local, como padaria e supermercado, também deve contar, avalia. Ele ressalta que quando o trajeto até essas comodidades não é feita a pé, deve ser avaliada a distância em minutos a percorrer. "Pode ser perto, mas com o trânsito carregado." Shoppings e pontos de lazer devem ser perto, mas não grudados.Dentro do quesito qualidade de construção, o segundo fator a ser considerado em importância, é preciso estar mais atento ao fator segurança. "Essa regra é mais relevante para imóveis destinados à população de alta renda. Por esse motivo, no caso de residências, a liquidez é maior em condomínios, onde as pessoas acham que há mais qualidade de vida e mais status", conta.O especialista acrescenta a venda mais rápida está concentrada no faixa de preço entre R$ 60 mil e R$ 150 mil porque a demanda maior é pelas unidades direcionadas à classe média.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.