Venda de imóveis usados cai 3,25% na capital paulista

As vendas de imóveis usados começaram o ano em baixa na cidade de São Paulo. Pesquisa do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP), com 461 imobiliárias, registrou queda de 3,25% no índice da Capital. Foram vendidos 223 imóveis de todos os tipos, com predomínio dos apartamentos (57%). Comunicado da instituição aponta que as propriedades mais negociadas em São Paulo tinham preço final de até R$ 100 mil (60,66% do total), com maior porcentual de vendas - 20,38% - para os imóveis cotados entre R$ 61 mil a R$ 80 mil.Os negócios, em sua maioria, foram feitos à vista (60,99%), ficando o financiamento bancário responsável por 30,5% do total vendido. Entre os bancos, a Caixa Econômica Federal (CEF) respondeu sozinha por 22,87% dos créditos concedidos aos compradores de imóveis. Segundo a Creci-SP, é normal a queda das vendas em janeiro devido ao período de férias.A pesquisa mostrou equilíbrio entre altas e baixas de preços de casas e apartamentos no período. Foram observadas 19 ocorrências de baixa e 16 de alta nos valores médios dos imóveis distribuídos pelas cinco zonas de valor nas quais a pesquisa agrupa os bairros da Capital. Os preços que mais subiram foram os dos apartamentos de padrão médio situados em bairros como Lapa, Vila Mazei e Cambuci. Os imóveis com tempo de construção de até sete anos tiveram aumento de 7,59%, com o valor médio do metro quadrado passando de R$ 2.134,60 em dezembro para R$ 2.296,59 em janeiro.Propriedades um pouco mais antigas, com tempo de construção entre 8 e 14 anos, registraram aumento idêntico, de 7,59%, com o custo do metro quadrado subindo de R$ 1.571,73 para R$ 1.691,02 no mesmo período.A maior baixa de preços aconteceu na região onde estão reunidos os bairros de famílias de maior renda, como Alto da Boa Vista, Jardim França e Itaim Bibi. O preço do metro quadrado das casas de padrão médio caiu 5,11% - de R$ 2.070,97 em dezembro para R$ 1.965,06 em janeiro.Locação Em janeiro, o número de imóveis alugados na cidade de São Paulo foi 1,58% menor do que em dezembro. As 461 imobiliárias pesquisadas alugaram 989 imóveis, sendo a maioria casas (52,48%). O fiador ainda reina absoluto entre as formas de garantia de aluguel - respondeu por 52,88% dos contratos, ficando o seguro-fiança com 13,04% e o depósito em poupança conjunta de três meses de aluguel com 34%. Ainda de acordo com o comunicado, as imobiliárias receberam de volta 467 imóveis, o equivalente a 11,24% menos que as devoluções de chaves registradas em dezembro. A maioria (80%) desistiu da locação por outros motivos - como separação conjugal, fim de contrato, mudança de cidade - que não os financeiros (19,91%). O índice de inadimplência ficou em 5,64% do total de contratos em vigor, porcentual 4,28% maior que o de dezembro. O levantamento apurou que o aluguel que mais subiu no período - 7,69% - foi o das casas na região que conta com os bairros da Vila Maria, Mandaqui e Casa Verde. O aluguel médio passou de R$ 975 em dezembro para R$ 1.050 em janeiro. A maior baixa também se deu com as casas - foi de 3,68% - em bairros como Parelheiros, Vila Nova Cachoeirinha e Santo Amaro - para os imóveis de 3 dormitórios. A locação média caiu de R$ 620,83 para R$ 598.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.