Venda de TVs não emplaca com a Copa e LG Philips revê produção

A LG Philips avaliou que a previsão de demanda por televisores de cristal líquido antes da Copa do Mundo na Alemanha não se materializou. Esse diagnóstico levou a empresa a revisar, ontem à noite, as suas projeções financeiras para o segundo trimestre, o que provocou um recuo de 13% na ação da companhia, nesta manhã, na Bolsa da Coréia do Sul. O movimento arrastou outras empresas do setor, como a Samsung, que teve baixa de 4% e a Hynix Semiconductor, que fechou em queda de 3,5%.A LG Philips é a segunda maior fabricante mundial de transistor de película fina para visores de cristal líquido, em embarques, e revisou suas previsões de produção, preços e margem Ebitda (sigla para lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) para o segundo trimestre. A companhia estimou que as suas entregas de LCD devem crescer em torno de 25% no trimestre, uma expansão muito inferior ao crescimento de 50% projetado anteriormente."Nós esperávamos uma demanda explosiva de uso de LCD para televisores. Mas a demanda foi inferior à prevista", afirmou um porta-voz da companhia, que revisou também em baixa a estimativa de queda do preço por metro quadrado de venda de vidro. A companhia revisou a previsão para a margem Ebitda de 20% para 10%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.