Vendas da Microsoft no Brasil crescem 20% em 2005

A Microsoft cresceu no Brasil, no ano passado, cerca de 20% em faturamento, enquanto no mundo a empresa multinacional apresentou em média 11% de crescimento. A informação foi dada hoje pelo diretor de Assuntos Jurídicos e Corporativos da companhia no País, Eduardo Paranhos, durante o XXVI Seminário Nacional de Propriedade Intelectual que acontece em Brasília. "Esse resultado só foi possível graças à evolução nos últimos anos do reconhecimento da propriedade intelectual no Brasil", comentou Paranhos, acrescentando que a Microsoft tem quase todo o seu faturamento originário de licenciamento de produtos de informática.Ele frisou, no entanto, que, apesar dos avanços, o Brasil ainda tem um longo caminho a trilhar. Segundo ele, o maior prejuízo para um País que não investe em proteção intelectual é a perda de investimentos novos em pesquisa e tecnologia. "Só existe investimento nessa área de pesquisa em tecnologia quando há garantia de retorno desse investimento, que só pode vir quando há garantia da propriedade intelectual do produto ", afirmou o diretor da multinacional, acrescentando que a Microsoft destinou em 2005 US$ 7 bilhões às pesquisas tecnológicas nos mais de 100 mercados mundiais onde a empresa está presente.Apesar de alguns avanços, Paranhos e outros especialistas e empresários que participam do evento apontaram hoje que o Brasil ainda precisa investir muito em proteção da propriedade intelectual. Segundo dados da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), somente no setor de tecnologia da informação (TI), o Brasil poderia movimentar US$ 17 bilhões em quatro anos se o índice de pirataria de softwares fosse reduzido em 10%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.