Vendas do Pão de Açúcar agradam analistas de ações

O desempenho do Pão de Açúcar em fevereiro agradou os analistas do setor, a exemplo do ocorrido no primeiro mês do ano. O crescimento de 6,2% nas vendas líquidas e de 5,7% nas brutas, em relação a igual mês de 2006, confirma a tendência de avanço da operação do grupo neste ano, avaliam. Para a Fator Corretora, o resultado do mês passado provocou a elevação de recomendação dos papéis da companhia, de manutenção para atraente. "A cotação deve responder positivamente no curto prazo", apontou a instituição em relatório. A Fator destaca como uns dos pontos positivos o aumento de tráfego de clientes nas lojas do grupo, também apontado pela Unibanco Corretora, que aposta no reflexo positivo desse incremento no aumento das vendas ao longo de 2007, e pela Ativa. "Consideramos que não apenas o fator vendas em mesmas lojas é satisfatório, como também o constante aumento no tráfego de clientes, indicando que a política de preços competitivos vem atraindo os consumidores", afirmou esta instituição em relatório. As vendas no conceito mesmas lojas da companhia registraram crescimento de 4,2% nas vendas brutas e de 4,8% nas líquidas. Na avaliação da Unibanco Corretora, que mantém os papéis da companhia em revisão, os dados revelam uma continuidade da tendência de alta no desempenho do Pão de Açúcar. Assim como o Unibanco, a Fator destacou ainda o crescimento das vendas de 3,3% do segmento de alimentos, e de 6,5% na área de não alimentícios. "Pelo terceiro mês consecutivo, houve melhora no desempenho dos produtos alimentícios, que representam cerca de 80% das vendas totais da empresa", ressaltou a corretora. A Merril Lynch, porém, que mantém a recomendação neutra para os papéis da companhia, informa que, apesar dos esforços do Pão de Açúcar, ainda não avalia a situação como um ponto de mudança de rumo do desempenho. A concorrência mais acirrada do setor, com destaque dado ao Carrefour, diz a corretora em relatório, sinaliza uma melhora nos resultados baseada, em parte, nas ações promocionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.