PAULO WHITAKER/REUTERS
PAULO WHITAKER/REUTERS

Vivara, C&A e BMG marcarão despedida de antigo pregão da Bovespa

Até março, Espaço Raymundo Magliano Filho passará por reformas, acompanhando modernização de outros prédios da B3 no centro histórico; próximas empresas que abrirem capital o farão em espaço provisório

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 14h01

Neste mês, a rede de joalheria Vivara, a varejista C&A e o banco BMG fecharão um ciclo do prédio histórico da B3 no Centro de São Paulo, na rua XV de Novembro. O Espaço Raymundo Magliano Filho, o antigo pregão da Bovespa, fechará as portas, mesmo que temporariamente. Até março de 2020, o local passará por uma grande reforma, acompanhando a modernização dos outros prédios da B3 no centro histórico paulista, 2 anos e meio após a união de BM&FBovespa e Cetip.

Com o mercado brasileiro aquecido, as próximas empresas na fila para abrirem capital terão um espaço provisório de estreia, que já começou a ser preparado. Será no hall de entrada do prédio da B3 na Praça Antônio Prado, antiga sede da BM&F. Esse espaço era atravessado diariamente por operadores apressados para adentrarem o pregão que foi palco das saudosas negociações viva-voz, onde os profissionais se acotovelavam para garantir as melhores compras e vendas de ativos. Para o local será levado o púlpito (ou um recorte) do espaço que passará por reforma a partir do mês que vem. Essa transferência será necessária dada a simbologia do objeto, que marca a celebração da abertura de capital de uma empresa, comenta a diretora de Recursos Humanos da B3, Ana Buchaim.

Por trás dessa logística, contudo, a história é maior. A reforma dos prédios da antiga BM&FBovespa tem como pano de fundo a consolidação da marca B3, algo que para os funcionários e mercado já é bastante concreto, diz Ana. Todo o processo de “retrofit” dos edifícios, ambos tombados como patrimônio histórico, custará cerca de R$ 150 milhões à empresa e a reforma terminará no fim de 2020.

LEIA TAMBÉM: Hospedagem em prédios históricos de SP vira atração até para paulistanos

Moedas gigantes

Além dos dois prédios, também será reformado um edifício recém adquirido, que faz divisa com sua sede, na praça Antônio Prado. No centro, o prédio é conhecido por estampar em sua fachada 13 moedas douradas gigantes, de réis e cruzeiros, que remetem à época do Império até a República.

Como o prédio "das moedas" é colado ao prédio da sede, alguns andares poderão ser unidos. Com mais espaço, a B3 poderá trazer seus funcionários que ainda estão na unidade de Alphaville, uma das heranças da antiga Cetip. A novidade quer dar ainda vida nova à rua João Brícola. Ali fica o Farol Santander, antigo prédio do Banespa, ponto turístico da cidade. O prédio da Bolsa também atrai turistas que visitam o centro paulista.

LEIA TAMBÉM: Oferta de ações na Bolsa pode alcançar R$ 20 bi em outubro

Depois da fusão, em 2017, cogitou-se a possibilidade da nova empresa, fruto da união de Cetip e BM&FBovespa, deixar o centro e migrar para um prédio que pudesse acomodar toda a companhia. A decisão, no fim, foi manter a sede no centro, até por conta de sua história, porém reformulando integralmente os prédios, para atualizá-los.

Questão de cultura

Ana Buchaim diz que desde o momento da fusão, a cultura da empresa tem sido a proximidade com os clientes. Internamente, o trabalho é deixar os funcionários mais engajados, com o sentimento de “pertencimento”. A reforma, que unirá ambientes e derrubará paredes que dividem hierarquias, por exemplo, buscará retratar essa cultura, que já roda os corredores da B3, que começam a, fisicamente, serem reformados. Segundo ela, outra intenção é trazer os clientes e o público para dentro da companhia e haverá novos espaços que contemplarão essa meta.

A reforma começou, na prática, no fim do ano passado e o sétimo andar do prédio da rua XV de Novembro já está pronto. O ambiente já está preparado para tornar o dia a dia corporativo mais ágil, tornar reuniões mais céleres e facilitar a comunicação, sem lugares marcados para os funcionários. A B3 possui hoje 2,2 mil funcionários, sendo que 1,9 mil estão aptos ao trabalho remoto.

Ontem, para marcar a despedida do Espaço Magliano Filho, a B3 lotou o espaço com seus funcionários. Além de bandas que se apresentaram, a B3 chamou oito artistas que participam de um “Art-Battle”. Os funcionários escolherão aquelas que serão estampadas nas paredes dos dois prédios da B3.

Tanto o prédio da XV, quanto da Praça, são da década de 1940. O situado no número 275 da rua 15 de Novembro, no centro velho de São Paulo, pertencia ao extinto Banco do Comércio da Indústria (Comind), que perdeu o prédio devido à liquidação extrajudicial em 1985. O edifício da sede, por sua vez, na Praça, foi um dos primeiros prédios de escritórios de São Paulo. Batizado de Palacete Martinico Prado foi projetado por Ramos de Azevedo, a pedido do então prefeito Antônio Prado. O local já foi sede do Citibank. Ainda antes, no local ficava a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Tudo o que sabemos sobre:
VivaraBMGC&apatrimônio histórico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.