Vivo cai com notícia sobre migração para GSM

As ações da Vivo estão liderando as maiores baixas do Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Às 14h30, a perda das preferenciais era de 4,00%, para R$ 5,28, depois de 1.193 negócios. As ordinárias caíam 2,99%, para R$ 9,40. Os investidores estão tensos com a informação, vinda da imprensa portuguesa, de que os sócios teriam aprovado a migração tecnológica da empresa do CDMA para GSM. A operadora brasileira e a Portugal Telecom, por enquanto, decidiram não comentar o assunto com a imprensa, de acordo com posição das respectivas assessorias. Por isso, não há informações adicionais a respeito do tema. De acordo com a matéria do jornal português, a decisão ocorreu ontem e as medidas práticas devem ser tomadas antes do Natal, com duração do processo estimada em três anos. O mercado já contava com uma decisão deste tipo, especialmente depois que a Telefónica assumiu, em Valência, na Espanha, durante encontro com analistas, que estudava esta possibilidade. Por conta disso, os papéis da operadora brasileira acentuaram as perdas que já vinham mostrando pelo descontentamento com o desempenho operacional da empresa nos últimos trimestres - perda de market share (participação no mercado) sem contrapartida de melhoria na rentabilidade. No ano, as preferenciais da Vivo acumulam desvalorização de 46%. Hoje, os investidores estão confusos com o assunto em razão da falta de informação, pois não esperavam este anúncio para o curtíssimo prazo pelo fato de a Portugal Telecom estar sob um processo de análise de oferta hostil. Os analistas que telefonam para o departamento de relações com investidores da empresa não conseguem sequer confirmar a notícia. Embora não haja nova informação sobre investimentos, a Telefónica estimou - quando fez o comentário na Espanha - que o custo poderia ser de US$ 2 bilhões.

Agencia Estado,

30 de junho de 2006 | 14h39

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.