Volume diário do 'home broker' da Bovespa bate recorde

A negociação de ações pelo sistema "home broker" da Bolsa de Valores de São Paulo alcançou três novos recordes em fevereiro: média diária de volume, com R$ 508,9 milhões; média diária de negócios, com 61.642; e número de investidores com ofertas colocadas, que chegou a 95.544. O "home broker" é o sistema online que permite à pessoa física investir em ações pela internet, mas é necessário ser cadastrado em uma corretora de valores credenciada à Bovespa. A participação do "home broker" na quantidade total de negócios da Bolsa ficou em 24,96% em fevereiro, ante 24,90% em janeiro; e a participação no volume financeiro foi de 7,07%, contra os 8,28% do período anterior. O valor médio por negócio foi de R$ 8,2 mil no mês passado, frente os R$ 8,4 mil de janeiro. No final de fevereiro, 54 corretoras ofereciam o serviço online. A Bovespa listou 41 clubes de investimento em fevereiro. Desde o lançamento do programa de popularização, em setembro de 2002, foram criados 1.442 clubes. No total, a Bovespa encerrou o mês com 1.696 clubes listados. O patrimônio líquido totalizou R$ 9,9 bilhões e o número de cotistas, 134.143, segundo os últimos dados disponíveis, de janeiro. Volume total A Bovespa informa que, em fevereiro, registrou um volume total de R$ 75 bilhões, alta de 15,5% sobre os R$ 64,9 bilhões movimentados em janeiro. A média diária foi de R$ 4,2 bilhões e 129.003 negócios, ante R$ 3,1 bilhões e 113.741 negócios no mês anterior. As ações que registraram maior giro financeiro foram Petrobras PN (preferenciais), com R$ 7,98 bilhões; Vale do Rio Doce PNA, com R$ 6,44 bilhões; Usiminas PNA, com R$ 2,53 bilhões; Bradesco PN, com R$ 1,91 bilhão; e CSN ON, com R$ 1,63 bilhão. O valor de mercado das empresas com ações negociadas na Bolsa, em fevereiro, foi de R$ 1,56 trilhão, ante R$ 1,58 trilhão em janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.