Votorantim vai expandir produção de zinco em MG

A Votorantim Metais anunciou hoje investimentos da ordem de R$ 285 milhões, na unidade de Juiz de Fora (MG), para expandir as operações de zinco eletrolítico e iniciar a produção de índio até dezembro de 2007. De acordo com o presidente do Conselho Executivo do grupo Votorantim, Carlos Ermírio de Moraes, a estratégia faz parte do chamado projeto Polimetais, que vem sendo desenvolvido pela companhia. A fabricação de índio, subproduto da transformação do concentrado em zinco eletrolítico, é uma tentativa de antecipar a demanda do mercado. Conforme o executivo, o material é utilizado principalmente pela indústria eletroeletrônica e na fabricação de telas de plasma. Ele acredita que as perspectivas são de um aumento na procura pelo produto, principalmente depois que foi anunciada a implantação do Sistema Brasileiro de TV Digital. "Este é um material que tem uma importância fundamental para a indústria eletroeletrônica e acreditamos na expansão deste setor", afirmou.O projeto prevê a ampliação da capacidade instalada para 116 mil toneladas/ano de zinco e 18 toneladas de índio na unidade industrial. Embora a produção do novo material possa ser considerada pequena, Ermírio de Morais destacou as perspectivas de mercado. Atualmente o índio é cotado a US$ 1 mil/quilo, enquanto o zinco chega a US$ 3,3 mil/tonelada nas bolsas internacionais. A unidade de Juiz de Fora é a antiga Companhia Paraibuna de Metas, que foi adquirida pela Votorantim Metais em 2002. Desde a aquisição, os únicos investimentos feitos pelo grupo na fábrica foram apenas em melhorias de produção. Este será o primeiro aporte em aumento de capacidade. A companhia possui atualmente duas minas e duas unidades industriais no segmento de zinco, com produção de 380 mil toneladas/ano, o que coloca a empresa como a quinta maior produtora mundial do metal e a principal da América Latina. Moraes destaca que a obtenção de índio permitirá também a solução de um problema ambiental, uma vez que o produto diminui os estoques de resíduos da produção de zinco eletrolítico. Carlos Ermírio de Moraes informou ainda que, a despeito das movimentações de mercado, a companhia não deve realizar grandes investimentos no segmento de níquel. A unidade do grupo tem minas em operação no município de Niquelândia (GO), responsável pela extração de minério de níquel laterítico e a produção do carbonato, que abastece a planta de São Miguel Paulista (SP). Em Fortaleza de Minas (MG), a Votorantim Metais produz matte de níquel destinado ao mercado externo, com capacidade de 10 mil toneladas/ano de níquel contido. Ele revelou que, nesta planta, a intenção é aumentar o tempo de vida útil da mina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.