Wall Street avança com força do mercado imobiliário

O dado mostrando crescimento inesperado das obras de imóveis iniciadas em maio nos EUA ajuda a amenizar as preocupações sobre o esfriamento da economia daquele país e sustentava o índice Dow Jones da Bolsa de Nova York em alta de 0,40%, às 12h09. O índice Nasdaq, no entanto, assumia um comportamento mais instável e operava com ganho de 0,30%. Mas os investidores seguem cozinhando a cautela e limitam os movimentos enquanto aguardam o encontro da próxima semana do Comitê de Mercado Aberto do Federal Reserve (banco central americano), que deve decidir sobre novo aumento dos juros. O Departamento do Comércio americano informou que o número de construções de imóveis residenciais iniciadas em maio subiu 5%, para 1,957 milhão de unidades. O dado superou a previsão de alta de 1,7%. O número robusto mitigava a preocupação quanto a um esfriamento do setor imobiliário, mas por ter superado a previsão, seria suficiente para alimentar as preocupações sobre inflação. No entanto, não houve choque já que o dado veio associado à queda de 2,1% no número de permissões para novas construções - um referencial para o movimento futuro do setor. Ontem, os investidores tomaram o desconhecido índice das condições dos negócios da Associação Nacional das Construtoras de Imóveis como pretexto para derrubar as ações. O índice bateu o menor nível em 11 anos, levantando preocupações sobre um esfriamento dolorido no setor imobiliário. Os investidores se mostram cada vez mais nervosos com a conjunção de esfriamento da economia americana e inflação mais forte, o que pode levar o Fed a prolongar o seu ciclo de aperto monetário. O topo de lista de preocupações de Wall Street em relação à desaceleração da economia refere-se ao setor imobiliário. "Com os estoques de casas novas disponíveis para venda aumentando rapidamente, não faz sentido que as construtoras continuem ampliando a oferta no ritmo atual", alertou o economista chefe da High Frequency Economics, Ian Shepherdson. Outros analistas destacavam que o dado de maio pode ter mostrado um desempenho singular, motivado pelo clima favorável no mês. As ações das empresas mais sensíveis ao setor imobiliário perderam os ganhos iniciais em Wall Street. A Home Depot, que vende itens para reformas e decoração de lares, caíam 1,3%. A Lowe´s, sua concorrente direta, cedia 0,31%, às 11h55. O petróleo para julho subia 1,12%, para US$ 69,75 por barril, na Nymex, contribuindo para limitar o apetite pelas ações. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

20 de junho de 2006 | 12h12

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.