A crise do campo bate na porta da cidade

A crise sem precedentes pela qual a nossa agricultura está passando transformou um sonho em pesadelo. Em meio ao discurso ufanista do Governo Lula, os produtores rurais que se entusiasmaram com a possibilidade do Brasil se tornar o celeiro do mundo, investiram pesado no aumento da sua produtividade, e agora, estão abandonados com suas dívidas. A bonança do passado, as ilhas de prosperidade, deram lugar à estagnação e frustração daqueles que acreditaram em investir no crescimento do País. O pior de tudo isso é que esta era uma crise anunciada, há tempos os sinais eram mais do que claros, mas a letargia, a ortodoxia e a falta de visão prevaleceram na condução da nossa economia. Os alertas não vieram apenas do setor produtivo, mas de dentro do próprio governo, principalmente nos ministérios da Agricultura e de Comércio Exterior. Mas, de nada adiantou, a visão monetarista prevaleceu neste governo e, a partir de agora, o efeito cascata é irremediável. A crise no campo já afeta o comércio das cidades do centro-sul do Brasil, que têm a economia local baseada no agronegócio. Pesquisa recente demonstra o declínio nas vendas das redes varejistas nessas regiões em torno de 20%, em média, se compararmos ao mesmo período de 2005. Com o início da colheita da safra de grãos, os reflexos foram sentidos este mês em lojas de eletrodomésticos e móveis, revendas de veículos, imobiliárias, indústria de máquinas e até nos supermercados. Diante deste quadro, começam a pipocar demissões e férias coletivas. Acostumado a medir a atual crise no setor agrícola penas por seus impactos diretos na produção, o governo começa a perceber efeitos mais profundos da falta de liquidez e do forte endividamento dos produtores. A arrecadação de ICMS do setor primário registrou uma queda expressiva na contribuição dos Estados com forte presença agrícola em 2005. Segundo o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), em Pernambuco a redução chegou a 46,74%, no Rio Grande do Sul, 38,1%; em São Paulo, 24,75%; no Mato Grosso, 13,95% e por aí vai. Isso significa menos dinheiro para os Estados investirem em áreas prioritárias como educação e saúde. A conjunção de câmbio valorizado, queda nos preços das commodities, precária infra-estrutura de logística e transporte, quebra da safra em algumas regiões, aumento dos custos de produção, a insuficiência de mecanismos como o seguro e crédito rurais, além das barreiras fitosanitárias, por conta da febre aftosa e a gripe aviária, colocaram nossos agricultores em uma sinuca de bico. Sem dinheiro, os produtores deixaram de comprar insumos, de investir na produção e, com isso, geraram um ciclo de perda para todo o agronegócio. Sem exportações e com uma maior oferta interna de produtos, num primeiro momento, os consumidores podem até comemorar a redução nos preços no varejo, mas se olharmos adiante as perspectivas para o País são sombrias, diante da importância estratégica do agronegócio na nossa balança comercial. O PIB do agronegócio registrou recuou 4,66%, no ano passado, na comparação entre os R$ 537,63 bilhões com os R$ 563,89 bilhões, registrados em 2004. Até setores mais blindados, devido a forte presença internacional, estão sentindo os efeitos desta equação perversa. O café, por exemplo, já perdeu 10% de seu valor, somente nos últimos 30 dias, o que pode fazer com que na época da colheita o preço de comercialização se equipare ao custo de produção. Em 2003, eram necessárias 2.962 sacas de soja para o produtor adquirir um trator, em 2005, este números saltou para 4.946 sacas. Se somarmos a isso o impasse nas negociações para a queda das barreiras tarifárias para as commodities agrícolas, no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), posso dizer, sem risco de ser chamado de pessimista de plantão, que estamos dando um tiro no pé no nosso desenvolvimento e na estabilidade econômica conquistada com tanto sacrifício. Em suma, os monetaristas de plantão do Governo Lula, com seus cortes lineares em áreas estratégicas do agronegócio, além de semearem a crise no campo, de quebra, também comprometeram o futuro do Brasil. O campo urge por uma política agrícola nacional, consistente e duradoura, pois em meio à conquista de novos mercados não há lugar para pacotes emergenciais ou improvisações. Esta política deve ter como premissas o ajuste da taxa de câmbio, para evitar a excessiva valorização do real; o fortalecimento da defesa sanitária, no sentido de evitarmos problemas como o da febre aftosa e o da gripe aviária; investimentos pesados na melhoria no escoamento da nossa produção, por meio do aperfeiçoamento dos corredores de exportação; a desoneração tributária e fiscal de toda a cadeia produtiva; o aprimoramento dos mecanismos de financiamento e de seguro rural; além de promover, de forma permanente, a inserção de inovações tecnológicas no campo. È fundamental que o governo brasileiro estabeleça uma agenda agrícola exeqüível, de curto, médio e longo prazos, escorada por um planejamento estratégico capaz de atender à crescente demanda mundial por fibras, alimento e energia renovável. Em suma, precisamos colocar o setor agrícola no patamar que ele merece, o de força motriz do nosso desenvolvimento, pedra de toque da nossa economia.

Agencia Estado,

04 Abril 2006 | 10h46

Mais conteúdo sobre:
artigos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.