Leonardo Soares/Estadão
Leonardo Soares/Estadão

Abilio Diniz negocia compra de até 15% da subsidiária do Carrefour no Brasil

Se concluída, aquisição vai transformar o empresário em um dos maiores rivais do grupo Pão de Açúcar, fundado por seu pai e vendido para a francesa Casino

Mônica Scaramuzzo e Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2014 | 22h33

Após desembolsar cerca de US$ 1 bilhão para comprar 3% das ações do Carrefour na França, o empresário Abilio Diniz, ex-dono do Grupo Pão de Açúcar (GPA), está próximo de fechar acordo para comprar entre 10% e 15% da subsidiária da rede de varejo no Brasil, segundo fontes a par do assunto. Os investimentos estão sendo feitos por meio da Península, empresa de gestão de recursos da família Diniz, com participações em vários negócios.

As negociações em andamento, segundo fontes, dariam ao empresário poderes para gerir os negócios do Carrefour no Brasil. Se concluída, a operação selará a volta de Abilio ao varejo. Com isso, o empresário passará a concorrer de frente com seu principal rival, Jean-Charles Naouri, dono do Casino e atual controlador do GPA, grupo fundado por Valentim Diniz, pai de Abilio, em 1948. Procurados, a Península e o Carrefour não comentaram o assunto. 

Os rumores de que Abilio Diniz estaria negociando com o Carrefour começaram há alguns meses, quando o empresário, atual presidente do conselho de administração da gigante de alimentos BRF (dona das marcas Sadia e Perdigão), começou a adquirir no mercado ações da rede francesa. À época, Abilio tinha negado que estaria interessado em comprar fatia relevante no Carrefour, embora fontes tenham afirmado que encontros entre o CEO da rede francesa, Georges Plassat, eram frequentes nos últimos meses.

Diniz já é considerado um dos principais acionistas minoritários da rede varejista francesa, segundo fontes de mercado. Entre os principais acionistas do Carrefour, estão a família Moulin, que em abril passado, adquiriu 6,1% no Carrefour S/A, por meio da Motier Holding, o terceiro maior acionista da varejista, atrás do grupo de private equity Colony Capital LLC e da holding do empresário francês Bernard Arnault.

Fontes de mercado afirmaram que as operações do Carrefour na Argentina também poderiam ser incluídas nesse pacote, por fazer parte do braço do Carrefour na América Latina, e que a rede espanhola Dia estaria no alvo da Península, mas pessoas a par das negociações descartaram essas hipóteses.

Capitalizados. Desde que saíram do GPA, a família Diniz começou a fazer investimentos em vários negócios, por meio da Península. Em outubro, os Diniz venderam um lote de cerca de 4,1 milhões de ações, totalizando cerca de R$ 445 milhões, ficando apenas com ações residuais da empresa. Ao todo, desde que começaram a vender sua participação no GPA, em 2013, os Diniz levantaram cerca de R$ 5,5 bilhões, segundo fontes. 

O último investimento relevante da Península foi anunciado no dia 23 de setembro, quando a empresa comprou ações da companhia de ensino Anima Educação, dona da faculdade São Judas Tadeu em São Paulo. A aquisição foi de 5 milhões de ações ordinárias, equivalentes a 6,03% do capital da empresa de educação. 

Nessa transação, a Península adquiriu fatia que pertencia ao fundo BR Educacional, que passou a deter 4,14% da Anima. As partes não informaram o valor da transação, mas, segundo fontes com conhecimento do assunto, os papéis foram vendidos num valor próximo à sua cotação na Bolsa, estimando a transação, à época, em R$ 138 milhões.

Meses antes, a gestora de recursos da família Diniz tinha adquirido ações na companhia de alimentos BRF. Na empresa de alimentos, o empresário investiu perto de R$ 1 bilhão para obter 2,76% de participação até o início deste ano, segundo divulgou a companhia à época. Abilio ainda investiu, em conjunto com a Tarpon, na Dufry, rede que opera lojas em aeroportos. No ano passado, os dois dividiam pouco mais de 5% da companhia, em um valor estimado em R$ 498 milhões.

A Península tem como foco investimentos em diversos negócios e o setor de educação está entre seus principais alvos. 

PARA LEMBRAR

Antes de deixar Grupo Pão de Açúcar, empresa fundada por sua família em 1948, Abilio Diniz travou longo embate com Jean-Charles Naouri, do grupo Casino. Em 2006, Abilio firmou acordo com o grupo francês, que injetou capital no GPA em troca de ações. 

Na época, o contrato garantia ao Casino a preferência na compra de ações ordinárias do GPA, com direito de assumir em 2012 o comando da rede. Mas, em 2011, Abilio Diniz tentou promover uma fusão com a operação global do Carrefour, sem consultar os sócios do Casino. Isso despertou a ira dos franceses. O Casino dizia que o negócio seria apenas uma forma de Abilio não entregar o controle do GPA, conforme previsto em contrato. 

Em abril de 2013, quando Abilio ingressou no conselho de administração da BRF, o grupo francês alegou conflito de interesse e pediu arbitragem internacional. A briga só acabou em setembro do ano passado. Abilio concordou em sair do grupo desde que não precisasse esperar um período para investir novamente em varejo. 

Mais conteúdo sobre:
abilio dinizcarrefour

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.