JB NETO/Estadão
JB NETO/Estadão

Abilio ganha mais espaço no Carrefour global

Acionistas aprovaram concessão de um segundo assento no conselho da companhia à Península, braço de investimento da família do empresário

Reuters

15 Junho 2017 | 22h07

Os acionistas do Carrefour aprovaram nesta quinta-feira a concessão de um segundo assento no conselho da companhia à Península, braço de investimento da família do empresário brasileiro Abilio Diniz, terceiro maior acionista do varejista francesa.

A executiva Flavia Buarque de Almeida, da Península, teve o nome aprovado para fazer parte do conselho, durante a Assembleia-Geral Ordinária do Carrefour. Abilio Diniz tem, junto com sua família, cerca de 8% do capital total do Carrefour global.

O bilionário brasileiro é membro do conselho da gigante varejista francesa desde maio do ano passado. Na semana passada, o empresário afirmou ao Estado que o Carrefour vive uma fase de transformação, após o anúncio de Alexandre Bompard, ex-Fnac Darty, como novo presidente global da companhia, no lugar de Georges Plassat. Segundo ele, o Carrefour tem muito a progredir.

Entrada. Em dezembro de 2014, a Diniz comprou uma participação de 10% na subsidiária brasileira do Carrefour. Meses depois, a Península elevou a fatia para a 12%. A família Diniz tem a opção de aumentar essa participação para 16% em cinco anos. A família do empresário é a terceira maior acionista do Carrefour, atrás da holding Groupe Arnault, de Bernard Arnault, com 8,74%, e da família Moulin, com 11,51%. Em 2013, Abilio deixou o Grupo Pão de Açúcar (GPA), fundado por seu pai, e que passou a ser controlado pelo concorrente francês Casino.

Em meio à atual crise econômica, agravada após as delações dos irmãos Batista, controladores da JBS, a subsidiária brasileira do Carrefour fez registro de Oferta Pública de Ações (IPO, na sigla em inglês). Nos últimos anos, a varejista planejava abrir seu capital na Bolsa, mas as condições de mercado não se mostravam favoráveis. 

Mais conteúdo sobre:
Abilio DinizCarrefour

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.