Diego Bonfim/ Divulgação
Diego Bonfim/ Divulgação

Abrir a empresa para os recursos entrarem

Bovespa vai dar aulas para ajudar pequenas e médias companhias interessas em se lançar no mercado de capitais e fazerem parte da bolsa

Clara Massote, especial para O Estado de S. Paulo,

30 de janeiro de 2011 | 08h21

Abrir o capital na bolsa de valores é coisa de empresa grande, certo? Errado. Médias e até pequenas empresas podem ingressar na Bolsa de Mercadorias e Valores de São Paulo (BMF&Bovespa) – e ainda contar com um empurrãozinho dela. De quebra, a abertura ainda pode render um capital extra. As oportunidades se originam em uma estratégia da instituição: a Bovespa está em um processo

de captação de empresas para abertura de capital. "Queremos adicionar 200 empresas à nossa carta e chegar aos 5 milhões de investidores até 2014", conta a gerente do Instituto Educacional BMF&Bovespa, Dayse Gomes.

Para atingir o objetivo, a entidade está promovendo cursos para que empresas de todos os portes compreendam os mecanismos de abertura de capital – e,mais importante ainda, se preparem para ter os padrões exigidos para tal. "Para alcançarmos a meta é preciso criar uma cultura no mercado atual brasileiro, ou seja, as empresas têm de entender sobre os negócios." 

A ideia, segundo Dayse, é ampliar o relacionamento da Bovespa com empresas de todos os tamanhos. "As pequenas estão fora do mercado de ações. Queremos mostrar as possibilidades para que elas cresçam de maneira organizada e cometam menos erros ao longo do processo."

Escola

O aprendizado ao qual a gerente se refere será oferecido por meio de um curso, fruto de uma parceria entre a Bovespa e a Babson College, referência mundial em educação de empreendedorismo. Intitulado Gestão e Crescimento Empresarial de Alto Impacto, o programa será ministrado nos meses de março e abril e tem o objetivo de orientar os proprietários de empresas relativamente consolidadas que estejam, agora, no dilema do crescimento. "O curso visa a ajudar o empresário a projetar seus próximos passos para serem certeiros", explica o diretor de Global Partnerships & Programs da Babson, Ênio Pinto.

Fomentadora

O programa foi desenvolvido de acordo com a estratégia da Bovespa. "Ele traduz as necessidades do mercado brasileiro, que precisa de mecanismos de apoio para criar bases competitivas e crescer." Segundo Pinto, a bolsa tem papel fundamental como fomentadora da economia de um país. "A aproximação com o mercado de capitais e de investimento gera um ecossistema de negócios muito benéfico para todos, pois produz riqueza e empregos. É uma relação de ganha-ganha."

Além do curso, a Bovespa oferece outra oportunidade aos pequenos empresários: o Bovespa- Mais, plataforma de acesso formatada para receber ofertas menores, abrangendo pequenas e médias empresas. Criado em 2005, o programa conta hoje com apenas uma empresa listada, mas a bolsa quer mais companhias fazendo parte da iniciativa. Para isso, as interessa das precisam cumprir regras bem específicas de governança corporativa, conjunto de processos,políticas e regulamentos que norteiam as organizações na busca por seus objetivos.

Sandro Saboia é diretor Administrativo Financeiro e de Relações com Investidores da Nutriplant, filha única do Bovespa Mais. "O principal quesito para abrir o capital é a transparência entre empresa e mercado", diz ele. A empresa, que atua no mercado de micronutrientes para a agricultura, já era auditada antes de abrir seu capital–passo fundamental para realizar o processo. De acordo com o executivo, a transparência na divulgação dos resultados é peça-chave para se obter sucesso no Bovespa Mais. A implantação de uma estrutura robusta de controladoria eleva um pouco as despesas administrativas, mas vale a pena. "A abertura de capital gera confiança para os acionistas, fornecedores e clientes, o que facilita o acesso ao mercado financeiro."

Por meio da Bovespa, a Nutriplant captou R$ 21 milhões em 2008 e em 2009 lançou um Fundo de Recebíveis de R$ 14 milhões, para financiar vendas aos clientes que compram produtos com prazo-safra de pagamento.

5 passos para ter ações no pregão

1. Procure informações sobre a própria Bovespa: a área educacional da instituição promove cursos e simulações para instruir futuros acionistas e empresários interessados nos negócios.

 2. Com o apoio da própria entidade, realize uma auditoria em sua empresa. O auditor deve ser credenciado pela instituição.

3. Também são necessários um advogado e um intermediário financeiro para a realização da abertura do capital.

4. Procure por boas práticas de governança corporativa. Pode ser necessário demitir ou recolocar alguns colaboradores, ou até mesmo redefinir a sociedade. Responsabilidade sócio ambiental é fundamental no processo.

5. Será necessário criar uma área de relações com investidores (RI) ou a contratação de consultoria para auxiliar as transações nesse sentido.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBolsacursorenda variávelIPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.