Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Ação da Gol sobe quase 13% com estimativas para o 2º trimestre

Companhia aérea elevou ontem expectativas de receita por passageiro e divulgou cálculos de redução de custos

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2017 | 22h21

As divulgação de estimativas da Gol para seus resultados no segundo trimestre fizeram as ações preferenciais da companhia subirem 12,77% ontem, fechando na máxima do dia e entre as maiores altas do mercado brasileiro. 

Diante dos novos números – que incluem um aumento na rentabilidade, na receita unitária por passageiro, previsão de redução da dívida e também de uma queda nos custos –, o Bank of America Merrill Lynch (Bofa) passou a recomendar a compra da ação da companhia. 

“Elevamos (a avaliação) Gol em razão da expectativa de um trimestre mais forte, um viés positivo para o balanço e para a alavancagem. O potencial de valorização é de 80%, uma atraente relação risco/retorno”, diz o relatório do banco. 

A estimativa preliminar e não auditada da Gol margem operacional (Ebit) de 1,5% a 2% no trimestre encerrado em junho, excluindo resultados não recorrentes, ante margem negativa de 8,2% no mesmo período de 2016. A Gol também estima um crescimento anual de 7,5% a 8% na receita unitária por passageiro no segundo trimestre, bem como redução de cerca de 4% nos custos unitários, excluindo combustíveis.

A companhia informou ainda ter cortado em cerca de R$ 100 milhões o endividamento total no trimestre de abril a junho. Nos últimos 18 meses, a dívida da empresa foi reduzida em mais de R$ 4,8 bilhões, segundo o comunicado.

Em relatório, a equipe de analistas do UBS informa que os números vieram acima do esperado pelo banco, que via queda de 2,7% na margem operacional do segundo trimestre.

O relatório do Bradesco BBI afirmou, por seu turno, que a melhora operacional consistente e a redução do endividamento podem resultar em um avanço de suas notas de classificação de risco. /KARIN SATO, WAGNER GOMES, COM REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Bank of America UBS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.