Ações da Boeing sofrem maior queda em mais de 5 anos

As ações da Boeing atingiam o menorpatamar em dois anos, depois que o Goldman Sachs cortourecomendação sobre a fabricante de aviões para de "neutro" para"vender". A decisão do Goldman foi baseada em queda de encomendas,problemas enfrentados por companhias aéreas e preços altos decombustíveis. Às 12h (horário de Brasília), as ações da Boeing recuavam6,2 por cento, a maior queda diária em mais de cinco anos. A ação acumula queda de 34 por cento em relação ao recordehistórico de 107,8 dólares alcançado em julho passado. Ospapéis são afetados por atrasos no programa 787 Dreamliner epreocupação do mercado sobre os preços elevados do petróleo. "Esperamos que o recuo macroeconômico e os preços recordesdo petróleo prejudiquem as companhias aéreas, o que deve setraduzir em redução significativa das encomendas", disse oanalista do Goldman, Richard Safran, em relatório publicadonesta quarta-feira. O analista definiu preço por ação da Boeing de 60 dólaresnos próximos 12 meses ante nível atual na casa dos 70 dólares.Ele ainda acrescentou que há risco significativo do papel cairmais. Safran, que reduziu recomendação de todo o setoraeroespacial de "netro" para "cautela", espera que asencomendas do setor caiam 50 por cento em 2008 e outros 50 porcento em 2009, conforme as companhias aéreas focam narestauração da lucratividade por meio de cortes agressivos decapacidade e aumentos de preços. (Por Esha Dey e Neha Singh)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.