Ações da companhia aérea Virgin America disparam em estreia na bolsa

Ações da companhia aérea Virgin America disparam em estreia na bolsa

A oferta pública inicial de ações é a primeira de uma companhia aérea norte-americana desde maio de 2011

REUTERS

14 de novembro de 2014 | 14h04

O papel da Virgin America, companhia aérea de baixo custo controlada em parte por Richard Branson, disparou até 28 por cento na estreia no mercado, salientando o clima positivo num setor que está saindo de um extenso período de turbulências.

Ações de companhias aéreas dos Estados Unidos atingiram máxima de 13 anos nesta semana, ganhando ímpeto com os preços de petróleo mais baixos e gastos maiores de viagens de norte-americanos com a melhora na economia.

A oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) é a primeira de uma companhia aérea norte-americana desde maio de 2011, quando a Spirit Airlines abriu o capital.

As ações da Virgin America alcançaram uma máxima de 29,48 dólares nesta sexta-feira, avaliando a companhia em cerca de 1,3 bilhão de dólares.

A Virgin America é o braço norte-americano da londrina Virgin Group de Branson, que está envolvida em companhias aéreas, em ferrovias, telecomunicações, mídia e hotéis.

A oferta de 13,3 milhões de ações captou cerca de 307 milhões de dólares, com a companhia retendo a maior parte dos recursos.

A companhia teve lucro de 10,2 milhões de dólares sobre receita de 1,42 bilhão de dólares em 2013, o primeiro ano lucrativo de sua história.

(Por Amrutha Gayathri)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASVIRGINAMERICAIPO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.