Ações do Panamericano caem 9, 28%

Recuo das cotações segue-se à notícia de que o banco precisará de uma nova injeção de capital

Economia&Negócios, com O Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2011 | 13h44

As ações preferenciais do Banco Panamericano registraram forte queda nesta quinta-feira, 27, e fecharam com desvalorização de 9,28%, a R$ 4,40. O recuo das cotações segue-se à notícia de que o banco precisará de uma nova injeção de capital. Segundo reportagem publicada nesta quinta-feira pelo O Estado de S. Paulo, o rombo aferido na instituição é maior que os R$ 2,5 bilhões anteriormente estimados pelo Banco Central (BC).

Nas últimas semanas, as ações do Panamericano valorizaram-se fortemente na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), em meio a especulações de que grandes instituições estariam travando uma disputa para comprá-lo. Do início do ano até quarta-feira, o ganho acumulado das ações preferenciais (PN) beirava os 20%.

A solução para cobrir o novo rombo está sendo negociada pela nova direção do Panamericano, pelo FGC, pelo empresário Silvio Santos, pela Caixa Econômica Federal, e é acompanhada de perto pelo BC.

O tamanho exato do rombo e a saída para cobri-lo devem ser oficialmente apresentados na próxima segunda-feira, dia previsto para a divulgação do balanço do terceiro trimestre e dos meses de outubro e novembro de 2010. A divulgação desses resultados foi adiada duas vezes.

Texto atualizado às 18h40

Tudo o que sabemos sobre:
BCPanamericanoFGCbancoações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.