Acordo para fusão entre Glencore e Xstrata pode ser alcançado hoje

União criará uma gigante de US$ 75 bi dos setores de mineração e operação com commodities 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de setembro de 2012 | 09h32

NOVA YORK - A tentativa da Glencore International de fazer uma fusão com a Xstrata, que já dura sete meses, está perto do clímax, de acordo com fontes ouvidas pelo Wall Street Journal. Cresceram as expectativas de que o conselho da Xstrata vai endossar a última proposta feita pela Glencore e abrir caminho para a criação de uma gigante de US$ 75 bilhões dos setores de mineração e operação com commodities.

O conselho da Xstrata se reuniu ontem para discutir a proposta revisada recentemente e um anúncio de acordo pode ser feito ainda hoje, segundo pessoas com conhecimento do assunto. As fontes alertaram, porém, que as negociações podem entrar no fim de semana e que não há garantias de que um acordo realmente será fechado. A fusão uniria a Glencore, o maior negociador de commodities do mundo, com a Xstrata, uma grande mineradora de carvão, cobre e outros produtos.

A Xstrata determinou a segunda-feira como prazo final para decidir se apoia ou não a proposta da Glencore, um julgamento que é considerado crucial para que o acordo sobreviva. No entanto, ainda poderá haver um fracasso se importantes investidores da Xstrata se opuserem.

A proposta de fusão enfrentou diversas viradas e obstáculos desde que foi anunciada, em fevereiro. Há duas semanas ela foi ameaçada por grandes acionistas da Xstrata, incluindo o Qatar Holding, que rejeitaram o preço oferecido. A Glencore posteriormente elevou a oferta para 3,05 ações suas em troca de cada uma da Xstrata, mais do que a relação de 2,8 oferecida antes.

A atual proposta avalia as ações da Xstrata que a Glencore ainda não possui em US$ 36 bilhões. A Glencore já possui 34% de participação na Xstrata. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GlencoreXstratafusão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.