Acúmulo de reservas pela China deixa mundo vulnerável, diz membro do BCE

Axel Weber acrescentou que a apreciação recente do yuan chinês 'é um passo bem-vindo em direção a um valor mais apropriado' da moeda

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

28 de outubro de 2010 | 10h25

O acúmulo de reservas internacionais pela China, em grande parte em dólares norte-americanos, torna a economia global mais vulnerável a choques adversos, disse o membro do Banco Central Europeu (BCE), Axel Weber.

"Ao invés de investir o superávit financeiro no mercado doméstico, a China, em particular, continua a acumular reservas substanciais em moeda estrangeira, em grande parte denominadas em dólares norte-americanos. Embora essa estratégia pareça racional do ponto de vista de um país superavitário, é particularmente responsável por tornar a economia global mais vulnerável a choques adversos", afirmou Weber.

Ele também disse que um regime de câmbio mais flexível ajudaria a China a "redirecionar o crescimento" das exportações para uma demanda doméstica mais forte. Ele acrescentou que a apreciação recente do yuan chinês "é um passo bem-vindo em direção a um valor mais apropriado" da moeda.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
BCEChinacâmbiodólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.