Rubens Sprich/Reuters
Rubens Sprich/Reuters

Aérea argentina de baixo custo recebe autorização da Anac para abrir empresa no Brasil

Para realizar voos a partir do Brasil, companhia precisa apresentar documentos sobre a malha aérea planejada, o que pode levar até três meses

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 12h27

A companhia aérea argentina de baixo custo Flybondi recebeu autorização jurídica da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para abrir empresa no Brasil e começar a preparar sua operação. Para realizar voos a partir do Brasil, no entanto, ainda precisa apresentar documentos sobre a malha aérea planejada, o que costuma levar entre dois a três meses.

Com o aval concedido pela Anac nesta sexta-feira, 15, a empresa já pode vender passagens no País. No site da Flybondi, porém, ainda não há nenhuma opção de voo para o Brasil. A empresa só terá licença para realizar voos internacionais.

Fundada em 2016 por Julian Cook, de nacionalidades suíça e inglesa, a Flybondi começou a operar no fim de 2017. Hoje, a companhia atua em 15 destinos argentinos, além de Assunção (Paraguai) e Punta del Este (Uruguai). 

A empresa não é a primeira de baixo custo a pedir licença para operar no Brasil. No ano passado, a chilena Sky começou a oferecer voos entre Santiago e São Paulo, Rio e Florianópolis e a Norwegian anunciou voos entre Rio de Janeiro e Londres a partir de março. A norueguesa pretende colocar no mercado 70 mil passagens por ano conectando as duas cidades. A argentina Avian, subsidiaria da Avianca, já possui autorização operacional.

Quando anunciou sua chegada ao Brasil, a Norwegian anunciou que o preço mínimo do trecho deverá ficar em R$ 1.200. Empresas concorrentes vendem passagens de ida e volta por, no mínimo, R$ 2.900. Já o modelo de baixo custo adotado pela Sky permitiu uma queda de 30% no preço médio das passagens no Chile -- patamar que pretende repetir no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.