Aéreas dizem ao TST não ter plano alternativo em caso de greve

Paralisação está marcada para o próximo dia 22; trabalhadores pedem reajuste de 13%

Iuri Dantas, da Agência Estado,

19 de dezembro de 2011 | 16h18

BRASÍLIA - O negociador indicado pelo Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) perante o Tribunal Superior do Trabalho (TST), Odilon Junqueira, disse nesta segunda-feira, 19, que não há um plano alternativo para garantir a normalidade no atendimento dos passageiros das companhias aéreas no caso de ser deflagrada greve dos aeroviários (pessoal de terra) e dos aeronautas (embarcados) no próximo dia 22 de dezembro. A declaração foi dada durante a audiência de conciliação que ocorre neste tarde no Tribunal Superior do Trabalho (TST). "Não fomos notificados. Não há nada preparado como diz a lei diz que deve ser preparado", afirmou, referindo-se a uma notificação que os trabalhadores deveria ter apresentada às empresas por se tratar de serviço essencial.

O assessor econômico do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), Cláudio Toledo, admitiu que os trabalhadores podem alterar a data do início da greve. "Parece que ainda existe tempo hábil para um acordo. Mas nada impede que a paralisação mude de data se for por questão de prazo legal", afirmou.

A ministra Maria Cristina Peduzzi interrompeu a reunião há pouco para mais uma rodada de negociação entre empresas e empregados, na tentativa de evitar a greve. O SNEA oferece reajuste dos salários pela variação do INPC, que seria de 6,17%. No início da negociação, há cerca de 60 dias, os trabalhadores pediam reajuste de 13%. Depois baixaram a exigência para 9% e agora pedem pelo menos 7%. As empresas dizem que não há possibilidade de conceder aumento real este ano.

Tudo o que sabemos sobre:
aereasgrevecrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.