AP Photo/Bebeto Matthews
AP Photo/Bebeto Matthews

Aéreas Emirates e Etihad negam rumores sobre fusão

Relatório da Bloomberg afirma que a Emirates estaria tentando assumir o controle da Etihad, o que criaria a maior companhia aérea do mundo

Reuters

21 Setembro 2018 | 10h40

DUBAI (Reuters) - A Emirates e a Etihad, duas das principais companhias aéreas do Oriente Médio, negaram nesta quinta-feira, 20, um relatório da Bloomberg que citava fontes não identificadas, dizendo que a Emirates estava tentando assumir o controle da Etihad para criar a maior operadora do mundo.

"Não há verdade nesse rumor", disse uma porta-voz da Emirates à Reuters. A Etihad fez uma declaração semelhante.

A Emirates é de propriedade do governo de Dubai, o centro de turismo da região, enquanto a Etihad é controlada pelo governo da vizinha Abu Dhabi, que graças às exportações de petróleo é o membro mais rico dos Emirados Árabes Unidos.

A propriedade das duas companhias aéreas tornaria qualquer fusão politicamente sensível. Houve poucas fusões transfronteiriças dentro dos Emirados Árabes Unidos, uma federação de sete emirados semi-autônomos; tais negócios exigem a aprovação das famílias dominantes dos emirados envolvidos.

Ambas as companhias aéreas, que cresceram rapidamente no início desta década, enfrentaram pressões financeiras nos últimos dois anos devido à forte concorrência no setor e a uma desaceleração econômica regional devido aos baixos preços do petróleo.

No início deste ano, as duas empresas assinaram acordos para cooperar em algumas áreas, como um acordo sob o qual os pilotos da Etihad podem se unir à Emirates temporariamente por dois anos.

No entanto, o presidente da Emirates, xeque Ahmed bin Saeed al-Maktoum, descartou uma fusão em maio deste ano.

Uma fonte próxima à Etihad disse à Reuters na última quinta-feira, 20, que, embora uma fusão possa ocorrer no futuro, Abu Dhabi não abandonaria rapidamente o controle de sua companhia aérea e marca, especialmente depois de ter investido bilhões de dólares em seu aeroporto internacional e outras infraestruturas de aviação.

Uma empresa sênior de monitoramento de transações bancárias no Golfo disse que a idéia de uma fusão entre a Emirates e a Etihad circulou "por pelo menos cinco anos", mas que ele não tinha ouvido falar de nenhum novo desenvolvimento. Nenhum banco foi mandatado para fazer um acordo, o que seria muito difícil operacionalmente, acrescentou.

A Emirates opera principalmente sozinha - uma abordagem que lhe dá controle sobre sua rede e ajudou a entregar 30 anos consecutivos de lucro.

Em contraste, a Etihad construiu uma rede global de companhias aéreas parceiras nas quais investiu e a estratégia teve problemas quando dois dos sócios, Alitalia e Air Berlin, se tornaram insolventes. Agora a Etihad está encolhendo as operações em um esforço para se tornar uma operadora de médio porte lucrativa.

A Emirates é muito maior que a Etihad. Sua frota de 268 jatos Airbus A380 e Boeing 777 em 31 de março é aproximadamente três vezes maior que a da Etihad, medida pelo número de aviões.

Dubai e Abu Dhabi estão gastando muito em instalações aeroportuárias. Dubai está desenvolvendo um novo aeroporto que um dia será capaz de movimentar cerca de 200 milhões de passageiros por ano e substituir o Dubai International, atualmente o aeroporto mais movimentado do mundo para o tráfego internacional de passageiros, como 'hub' da Emirates.

Enquanto isso, um novo terminal está programado para abrir no próximo ano no Aeroporto Internacional de Abu Dhabi, onde a Etihad está sediada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.