Aéreas pedem ajuda e governo promete proposta em 15 dias

O governo apresentará em 15 dias uma proposta para auxiliar a recuperação do desempenho financeiro das empresas aéreas. Em reunião na Casa Civil da Presidência, autoridades federais discutiram na quinta-feira, 5, as propostas feitas pelas companhias. ?Ainda não temos. Vamos aprofundar as propostas. Em 15 dias, espero já ter definições?, disse o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, ao jornal O Estado de S. Paulo.

MAURO ZANATTA E TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

06 de setembro de 2013 | 08h22

O encontro de quinta-feira, 5, teve a participação de autoridades dos ministérios da Fazenda e do Planejamento, BNDES, Banco do Brasil e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O governo descarta uma ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às companhias áreas.

No Congresso, os parlamentares já operam alterações para ajudar as empresas. A pedido do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), o deputado Mário Negromonte (PP-BA) incluiu em seu relatório da Medida Provisória nº 617 a redução a zero da alíquota de PIS-Cofins sobre a receita de prestação de serviços dessas companhias. ?Já que estamos dando para as empresas de transporte urbano, vamos estender às aéreas e às aquaviárias?, disse o deputado.

?A deterioração das condições econômicas passou a ameaçar a competitividade das empresas e a viabilidade de metas. A possibilidade da inclusão do setor na desoneração de PIS/Confins torna a realização dessas metas mais uma vez factíveis?, disse, em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), em referências às metas de ampliação das operações traçadas para 2020.

Pedidos

As empresas querem, entre outros pontos, revisão da fórmula usada para os preços do querosene de aviação, desoneração tributária e equalização do ICMS em 4% nos Estados. Questões trabalhistas, como a reformulação da jornada da tripulação, a participação do capital estrangeiro acima dos atuais 20% permitidos e a discussão da política de ?céus abertos? também estão na pauta.

O governo debate uma forma de baratear o custo do querosene, cujo preço é balizado pela cotação do petróleo no Golfo do México. O combustível representaria até 43% dos custos operacionais. As empresas alegam que 75% da produção do derivado está no Brasil e, portanto, a fórmula é inadequada para cotar o combustível. Em 2013, o preço do querosene de aviação subiu 11,9% até início de setembro, segundo o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea). Em 2012, a variação somou 12,6%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
aéreasMoreira Franco@estadaoconteudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.