Aeroviários do Rio, Salvador, Brasília e Belo Horizonte iniciam greve

Funcionários decidiram paralisar atividades mesmo após aeronautas terem aceitado proposta das empresas na tarde de hoje

Silvana Mautone, da Agência Estado,

22 de dezembro de 2011 | 19h09

SÃO PAULO - Os aeroviários (profissionais que trabalham em terra nos aeroportos) do Estado do Rio de Janeiro, de Salvador, Brasília e Belo Horizonte entraram em greve às 17h30 desta quinta-feira, 22, por tempo indeterminado. As informações são da assessoria de imprensa do Sindicato Nacional dos Aeroviários, que anunciou também a paralisação parcial de pessoal de pista (operadores, auxiliares, despachantes de mala, motoristas de trator etc) nos aeroportos do Galeão (Rio), Confins (Belo Horizonte), Fortaleza e Brasília.  

Eles decidiram paralisar as atividades apesar de os aeronautas (que trabalham nos voos) terem decidido na tarde de hoje aceitar a proposta de aumento de 6,5% feita pelas companhias aéreas, suspendendo assim a greve marcada para começar às 23h.  

A representação dos aeroviários e aeronautas no País é complexa, uma verdadeira "sopa de letrinha" de siglas. A maior parte dos aeroviários está sob o guarda-chuva do Sindicato Nacional dos Aeroviários, ligados à CUT. No entanto, os trabalhadores de Recife, Guarulhos e Campinas têm sindicatos independentes, mas ligados à mesma central. Já os municípios de Manaus, Rio de Janeiro e São Paulo têm suas próprias representações, só que são ligadas à Força Sindical.  

As entidades tomam decisões independentes. Manaus e Rio, por exemplo, aceitaram a proposta patronal inicial - de reajuste de 6,17%, equivalente à inflação pelo INPC - no início da semana. Assim, a paralisação deverá afetar o aeroporto do Galeão, no Rio, mas não o Santos Dumont. Os funcionários do Galeão estão divididos entre sindicatos da CUT, ligados ao SNA, e sindicatos ligados à Força Sindical. Estes últimos já fecharam acordo com as empresas aéreas nesta semana e não entrarão em greve.

O Sindicato Nacional dos Aeronautas aceitou ontem a proposta de 6,5%, assim como os aeroviários de Recife e Guarulhos. Segundo a assessoria de imprensa do sindicato dos aeroviários, eles continuam reivindicando aumento de 10%.  

Há atraso de voos, mas o check-in está operando normalmente e trabalhadores de outras categorias estão se revezando para manter o funcionamento normal.  A presidente do sindicato, Selma Balbino, estava nesta noite no aeroporto internacional do Rio realizando manifestação com pessoal de pista, reunidos do lado de fora da entrada. Eles vão reavaliar a situação a cada seis horas, para decidir se mantêm ou não a paralisação.  

A Secretaria de Aviação Civil, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informaram que o número de atrasos nos aeroportos hoje foi 40% inferior ao mesmo dia da semana de 2010 (quinta-feira). Por volta de 20h30m, havia 7,1% de voos atrasados em Belo Horizonte, 4,5% em Brasília e 21% no Galeão, segundo o site da Infraero. Não havia atrasos em Fortaleza. Na quinta-feira antes do Natal de 2010, esse índice atingiu 38,01% das 2.031 partidas programadas.  

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Oreste Dalazen, determinou na véspera que pelos menos 80% dos aeronautas e aeroviários trabalhem nas vésperas do Natal e Ano Novo. Se a determinação não for cumprida, os sindicatos das duas categorias poderão pagar multa diária de R$ 100 mil.  

(Com Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo)  

Texto atualizado às 20h33

Tudo o que sabemos sobre:
aeroviáriosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.