AES só espera BNDES para comprar ativos

A americana AES diz esperar somente a movimentação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para comprar a parcela de 49,9% que a instituição tem do capital votante da Brasiliana, que controla os principais negócios da companhia no Brasil - a distribuidora AES Eletropaulo e a geradora AES Tietê. O presidente da AES para América Latina e África, Andrew Vesey, afirmou que a empresa está ?pronta para agir? à primeira palavra do banco.

AE, Agencia Estado

19 de maio de 2010 | 09h42

Segundo o executivo, o valor a ser pago, levando em consideração o valor de mercado, estaria hoje próximo de US$ 1,8 bilhão, sem contar eventual ágio. Ele ressaltou, entretanto, que a venda ?é uma decisão do banco?. ?Buscamos uma relação saudável e produtiva com o BNDES.?

Segundo Ricardo Corrêa, analista de energia da Ativa Corretora, a AES tem disponibilidade financeira e de crédito para comprar a fatia do BNDES na Brasiliana, negócio no qual teria a preferência de aceitar ou recusar a primeira oferta. ?A AES vê os ativos brasileiros como estratégicos para que ela mantenha sua relevância internacional?, explicou Corrêa. Conforme Vesey, a operação brasileira responde hoje por um terço do negócio da AES, proporção que deve ser mantida nos próximos cinco anos.

O analista disse também ser ?natural? que o banco venda os ativos na Brasiliana, uma vez que energia não é o seu negócio fim - mas não arrisca um prazo para que isso ocorra. Em contraposição, o governo está interessado em aumentar sua participação na infraestrutura nacional. Por isso, explicou Corrêa, não se pode descartar que o Estado pague caro e aceite um retorno baixo sobre o investimento para atingir este objetivo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaAESBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.