África do Sul quer investigar aumento do preço do aço pela Arcelor

Segundo Departamento de Comércio e Indústria sul-africano, alta pode violar a Lei da Concorrência e abusar do domínio de mercado da empresa

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

30 de março de 2010 | 16h20

O plano da ArcelorMittal South Africa Ltd para aumentar os preços do aço enfrenta uma possível investigação pela Comissão de Concorrência da África do Sul, depois que o governo do país classificou a intenção da companhia como "injustificável".

 

O Departamento de Comércio e Indústria (DTI) sul-africano disse que pedirá à comissão que investigue os planos da divisão local da gigante siderúrgica ArcelorMittal de acrescentar uma sobretaxa aos preços do aço. Segundo o departamento, a decisão pode violar a Lei da Concorrência e abusar do domínio de mercado da empresa.

 

"O DTI é da opinião que esta sobretaxa é injustificável por uma série de motivos", disse o departamento em um comunicado enviado por e-mail.

 

A ArcelorMittal South Africa disse, mais cedo, que planeja repassar para seus consumidores, por meio de uma sobretaxa, o aumento nos custos do minério de ferro da Kumba Iron Ore, um fornecedor crucial do ingrediente que é usado na produção de aço.

 

A Kumba afirmou, no mês passado, que deixaria de fornecer o minério de ferro da mina Sishen, na África do Sul, ao valor do custo mais 3%, como acontecia sob os termos de um acordo fechado em 2001, depois que a ArcelorMittal não renovou seus direitos de mineração na mina. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ArcelorMittalaçoÁfrica do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.