Aftosa: governo interdita 11 fazendas em Careiro da Várzea (AM)

Brasília, 23 - O governo interditou 11 propriedades rurais do município de Careiro da Várzea, no Amazonas, onde foi registrado um foco de febre aftosa no começo do mês. A interdição foi determinada pelo serviço de defesa animal do Estado e pelo Ministério da Agricultura. De acordo com informações da assessoria de imprensa do ministério, os rebanhos dessas fazendas ficarão confinados até que seja concluído o trabalho de erradicação da doença. O transporte de animais, produtos e subprodutos provenientes de Careiro da Várzea e de municípios vizinhos para outros estados já estava proibido. Com a ajuda da Delegacia Federal de Agricultura e das Forças Armadas, a Secretaria de Produção Agropecuária montou seis barreiras fluviais e uma terrestre, na BR-319, para fiscalizar o trânsito de animais na região. O controle do foco de febre aftosa no município de Careiro da Amazonas é mais fácil, afirma o secretário de Produção Agropecuária, Pesca e Desenvolvimento Rural Integrado do Estado, Luiz Castro de Andrade Neto. A avaliação é que o fato de o município ser uma ilha facilita as ações da fiscalização. Para evitar a disseminação da doença pela região, o governo decidiu recadastrar o rebanho do município, estimado em 40 mil cabeças. Também estão sendo coletadas amostras de sangue dos animais, nas mil fazendas do município, para fazer exames sorológicos. O objetivo é identificar a origem do vírus da doença, tipo C, descoberto no começo do mês numa propriedade com 34 bovinos, 15 ovinos e um suíno. Desde 1995, esse vírus não era detectado no país. O registro do foco de aftosa no rebanho do Amazonas levou a Rússia a suspender as importações de carne do Brasil.

Agencia Estado,

23 de setembro de 2004 | 17h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.