Aftosa: Sindam propõe unificação de combate à doença no continente

Rio, 27 - O diretor do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindam), Mario Pulga, defendeu campanhas conjuntas entre os países latino-americanos no combate à febre aftosa no continente. Para ele, "não vai haver sucesso de nenhuma campanha de febre aftosa, em nenhum país, se as campanhas forem feitas isoladamente". O diretor do Sindam considerou que as campanhas conjuntas, aliadas a uma comunicação eficiente entre os órgãos que lidam com segurança fitossanitária, poderia ser importante instrumento no combate à doença nos rebanhos do continente. Ele citou como exemplo o caso da Argentina, ocorrido anos atrás, quando mais de dois mil focos de febre aftosa não foram devidamente informados pelo governo argentino "O resultado foi que a febre aftosa passou para o Uruguai e foi um desastre para os rebanhos daquele país", disse. Pulga disse ainda que, para prevenir situações como aquela, foi criado o Grupo Interamericano de Estudos de Febre Aftosa, com a participação de outros países sul-americanos que atuam no combate à doença. No caso do Brasil, ele afirmou que mais de 85% do rebanho bovino brasileiro está livre de febre aftosa por meio de vacinação. O diretor do Sindam participou do 6º Congresso de Agribusiness, realizado no Centro de Convenções do Riocentro, no Rio de Janeiro. O Congresso se encerra hoje. (Alessandra Saraiva)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.