Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Agência Standard & Poor’s corta nota da dívida da Itália de A+ para A

Segundo a agência, o corte reflete a fraqueza nas perspectivas de crescimento econômico da Itália, bem como a frágil coalizão do governo e as diferenças políticas dentro do Parlamento

Gustavo Nicoletta, Renato Martins e André Lachini, da Agência Estado,

19 de setembro de 2011 | 19h46

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) divulgou em um comunicado que rebaixou o rating de longo prazo da dívida soberana da Itália para A, de A+, e o rating de curto prazo para A-1, de A-1+, atribuindo perspectiva negativa para ambos.

"O rebaixamento reflete nossa visão de enfraquecimento na perspectiva de crescimento da Itália e também a visão de que a frágil coalizão do governo italiano e as diferenças políticas dentro do parlamento vão continuar limitando a capacidade do governo para responder de forma decisiva aos ambientes macroeconômicos doméstico e externo", disse a S&P.

 

A agência divulgou também que a perspectiva negativa para os ratings reflete os riscos de o governo italiano não cumprir as metas fiscais para o período que vai de 2011 a 2014, assim como as dúvidas sobre se as medidas de estímulo ao crescimento serão implementadas dentro do prazo.

 

Segundo a S&P, o governo da Itália acredita que o programa de ajuste fiscal para os próximos anos resultará numa consolidação de aproximadamente € 60 bilhões até 2014. A agência, no entanto, acha que a expectativa dos italianos está muito alta e citou três motivos para isso - o crescimento potencialmente mais lento da economia do país, o fato de quase dois terços do plano de ajuste fiscal ser baseado em aumentos de impostos e, por último, a provável elevação nas taxas de juros do mercado nos próximos meses.

"A diminuição da demanda externa, os programas de austeridade do governo e a pressão sobre os custos de financiamento tanto no setor privado quanto no setor público vão, na nossa opinião, resultar num crescimento menor para a economia italiana. Achamos que essa redução no ritmo da atividade econômica dificultará o cumprimento das metas fiscais", acrescentou a agência.

Apesar disso, "caso o governo consiga obter apoio político suficiente para implementar as medidas de estímulo ao crescimento e, dessa forma, fortalecer a perspectiva de redução material na dívida pública no médio prazo, podemos afirmar os ratings nos níveis atuais", disse a S&P.

Moody's

O dealer institucional Chris Weston, da IG Markets, observou que o novo rating da dívida de longo prazo da Itália pela Standard & Poor's está muito abaixo da classificação atribuída ao país pela Moody's.

Para ele, o fato de ter sido a S&P, e não a Moody's, a rebaixar o rating da Itália nesta segunda-feira poderá provocar um movimento mais acentuado de vendas de ativos de risco, embora os ratings da Itália nas três grandes agências de classificação de crédito tenham grau de investimento e estejam bastante acima do grau especulativo.

"Nós estávamos esperando um rebaixamento pela Moody's, e não pela S&P. Tendo em vista que o rating de longo prazo da Itália agora é A pela S&P e Aa2 pela Moody's, para o rating da Moody's equiparar-se ao da S&P, ela terá de rebaixar a Itália em três degraus", disse Weston.

Itália: Imprensa recebe com surpresa rebaixamento do rating pela S&P -

Reação 

Os principais jornais italianos noticiaram a decisão com surpresa, na madrugada da terça-feira pelo horário local (noite da segunda-feira, pela hora de Brasília). A reação de surpresa foi explicada pelo fato de outra agência de classificação de risco dos EUA, a Moody's, ter adiado na semana passada para outubro a reclassificação da dívida italiana.

"Pelo menos em parte a notícia foi uma surpresa, após a Moody's ter decidido manter sob observação a nossa dívida soberana ainda por um mês, e chegou na madrugada (italiana) entre segunda e terça-feira" escreveu na manchete do seu website o principal jornal de economia, o Il Sole24Ore, de Milão.

"A agência S&P anunciou, de surpresa, o corte de um grau na nota da dívida pública da Itália: o rating indica em síntese a capacidade de um país de pagar as suas dívidas. A S&P rebaixou a dívida soberana a curto e a longo prazos da Itália, de A+ para A. As perspectivas futuras para a Itália, explica a agência americana, são no todo 'negativas'", diz o jornal Corriere della Sera, também de Milão.

Os jornais La Stampa de Turim e La Repubblica de Roma também deram destaques para a notícia nas manchetes dos websites na madrugada da terça-feira.

As informações são da Dow Jones. Atualizado às 22h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.