Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Agências em campanha por ‘vida saudável’

Agências de publicidade, em parceria com a AMB, vão incentivar mudanças de hábito

Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo,

18 de novembro de 2011 | 23h00

As agências de publicidade brasileiras iniciaram nesta sexta-feira, 18 o movimento "Vida Saudável", que tem o objetivo de promover a mudança de hábitos na população. Para isso, a agência MBS desenvolveu uma campanha que inclui comerciais de TV, spots de rádio, anúncios em mídia impressa e um site na internet que abordam temas relacionados à saúde preventiva, como alimentação balanceada e prática de exercícios físicos.

De acordo com Luiz Lara, presidente da Associação Brasileira de Agências de Propaganda (Abap), o objetivo da iniciativa é "plantar a semente" de um futuro com mais qualidade de vida - uma necessidade que fica mais evidente diante do envelhecimento da população brasileira. "Já identificamos que este tema está na cabeça do consumidor. A preocupação com a qualidade de vida é definitivamente uma tendência. E a propaganda pode ajudar nesse processo."

A campanha - que deverá ser veiculada a partir da semana que vem, em parceria com os veículos de comunicação, que deverão ceder espaço para filmes e anúncios - será uma forma de trabalhar no longo prazo temas relacionados à saúde que antes a publicidade tratava de maneira específica, em campanhas de vacinação e de combate a doenças como a aids. "Ao longo do tempo, ficou provado de que a publicidade pode educar, informar e entreter. A campanha segue este raciocínio", diz Lara.

O site da campanha, conta o presidente da Abap, trará conteúdos que vão além do mero "discurso" de vida saudável. "Estamos em um momento demográfico em que a maioria da população está em idade produtiva. Por isso, ter informação sobre hábitos saudáveis é fundamental", diz.

Impacto positivo. Presente no lançamento da campanha, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou ter certeza do "impacto positivo" do movimento iniciado pelas agências de publicidade. "Sou daqueles que acreditam na capacidade da sociedade de construir agendas positivas. Sei da importância das mensagens do governo e de profissionais de saúde em relação aos hábitos do dia a dia, mas acho que o pessoal da publicidade tem grande facilidade para ampliar esse foco, entrando na casa das pessoas", afirmou.

O presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Florentino Cardoso, diz que qualquer iniciativa de medicina preventiva deve ser apoiada, pois terá um impacto positivo não só na vida das pessoas, mas também nos gastos governamentais com tratamentos complexos ou doenças crônicas. "Quem adere a bons hábitos vive mais e fica menos doente. E isso se reflete em gastos menores com tratamentos no futuro", afirma.

Para Cardoso, outra vantagem da campanha é que ela atinge também as crianças e adolescentes. "É mais fácil manter as práticas saudáveis adquiridas desde cedo."

Para o presidente da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), João Batista Simon Ciaco, as empresas podem facilmente aderir à campanha, não apenas adotando o selo "O futuro promete. Eu quero chegar bem lá" em suas campanhas publicitárias, mas também estendendo a promoção de hábitos saudáveis a seus funcionários e consumidores. "É um movimento que pode começar internamente, a partir dos recursos humanos da companhia, e posteriormente pode ser estendido à publicidade e à base de clientes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.